Chovendo muito, fui parar na obra



Click to Download this video!

Bom, esse é meu primeiro conto. Sempre li os contos e sempre tive a vontade de publicar algumas de minhas aventuras sexuais. Hoje vou contar o que aconteceu comigo, na semana passa, aqui em Niterói/RJ. Meu nome é Lorena, sou morena, com 23 anos, por força do meu nome mantenho meu cabelo loiro (luzes), mais não aquele loiro forte, procuro sempre ter uma cor mais natural, malho todos os dias, corro na praia todos os dias, ou seja, não me acho bonita, mas faço de tudo para que os homens achem, tenho 1,64m, peso 53kg, bem definidos e distribuídos, tenho a marquinha de praia que os deixam loucos, bundinha empinadinha, e uma rachinha bem bonitinha, pois estou sempre no salão cuidando dela, para surpreender meus namoricos.

Indo ao assunto, depois que comecei a ler os contos aqui neste site, comecei a pensar em várias situações que poderiam acontecer comigo e que eu ficaria louca. E uma delas é a que vou contar, pois aconteceu.
Sempre tive vontade de ser possuída por um homem, grosso, sem jeito e principalmente estranho, que na verdade eu não soubesse nem seu nome. E mais, que fosse um pedreiro, um peão, mestre de obras, ou seja, coisas desse tipo. Mas sempre tive medo, por causa da violência que hoje nos encontramos, porque oportunidade pra isso nunca faltou, até porque aqui na minha cidade, diversos prédios estão sendo construídos, e sempre quando passo por eles, recebo diversas cantadas, aí seria mole, é só dar um risinho e pronto, pau duro na hora.
Mas eu queria um negócio diferente, como se fosse um acaso, um tesão e só, para depois nunca mais vê-lo. Nesse dia chovia muito, e eu estava dentro do meu carro, com o transito congestionado e a rua alagando e alagando muito, a ponto de ter que sair do carro.
Nessa hora, subi em uma calçada alta para que meu carro não fosse alagado, parei em frente a um edifício em construção, na frente dos compensados que protegiam o canteiro de obra, tinha uma espécie de guarita, e lá se encontrava um senhor de mais ou menos uns 40 a 45 anos. Ela era um senhor de cor, nada bonito, mas com uma aparência de ser bem forte e conservado, medindo mais ou menos 1,80m, devia pesar seus 85Kg, cabelos curtos e muito educado.
Quando ele percebeu minha dificuldade de visibilidade, em virtude da forte chuva, ele desceu e me ajudou a estacionar. Como eu parei o carro e não saí de dentro, ele veio com um guarda chuva, e perguntou se eu precisava de algo, quando respondi que não, ele me cumprimentou e eu o agradeci, daí ele voltou para dentro da guarite.
Era noite existia e parecia não existir mais ninguém junto dele, e quando dei por mim, lembrei de minha fantasia, ou seja, era o acaso que eu estava esperando.
Ocorre que eu também não poderia sair sozinha, porque usava uma blusinha leve branca, e se molhasse iria aparecer meus peitinhos, que por sinal, na medida certa, e também porque não uso sutiã. Eu usava ainda uma calça jeans bem justa, que desenhava minha calcinha.
Quando então, já possuída pelo desejo do acaso, mas sem dar a entender, pisquei o farol para chamá-lo, e nada, pisquei denovo e nada, nessa hora minha xaninha também piscava. Rsrsr. Até que não agüentei e buzinei, chamando assim mais a sua atenção.
Ele novamente veio até Amim, e perguntou se eu havia o chamado, quando respondi que sim, pois estava muito apertada para ir ao banheiro, e se lá existia algum. De imediato ele respondeu que sim, abrindo a porta do carro, me oferecendo a metade de seu guarda chuva. Na hora que levantei, seus olhos não saiam de meu decote, e quando percebi, facilitei su visão, sem que ele percebesse, a não ser os peitinhos que de imediato deram sinal de alerta ligado, mas não sei se ele se ligou nisso.
Em direção a obra ele se ajeito atrás de mim, mas com todo o respeito, ele não se encostou em mim, mas estava tão perto que eu sentia sua respiração em minha nuca, o que me deixou louca.
Na hora de entrar pelo portão, sem que ele percebesse empinei minha bundinha disfarçadamente, o que causou a primeira roçada. Hummm, adorei. E acho que ele também, pois senti que meu pedreiro, já estava com más intenções. Mas continuei e fingi que nem percebi.
Quando cheguei ao banheiro, observei que não tinha papel higiênico, fui a minha deixa, pois tirei apenas minha calçinha com intuito de usá-La como isca para meu macho, pois não estava com vontade nenhuma de ir ao banheiro, e a joguei na lixeira do banheiro, com o intuito de provocá-lo.
Assim que saí, ele veio com o papel na mão dizendo que estava indo buscar lá dentro e por isso demorou. Eu respondi que não precisava pois já tinha dado um jeito. Curiosamente ele perguntou qual foi o jeito. Quando respondi que usei a calcinha. Ele não acreditou, quando respondi que havia jogado na lixeira do banheiro.
Na hora ele brincou com algumas palavras e seguimos a saída. Mais chovia muito ainda, e ele me ofereceu o guarda chuva, mas que não iria adiantar, ois não poderia sair ainda com o carro.
daí,perguntei se poderia ficar um tempinho alí com ele, sendo aceito na hora. Minutos depois, eu obseervando uma certa ansiedade, e pediu licença e foi ao banheiro, até aí tudo bem, mas demorou bastante, até que fui procurá-lo, quando o peguei com minha xeirando minha calcinha.
Na hora me fiz de sangada, dei uma chamada e o mandei me entregar de volta, já partindo para égar e ele desviou, até que em uma dessas tentativas, eu consegui pergar uma ponta para puxá-la e ele se virou por de trás de mim impedindo que eu pegasse.
Quando então senti aquele mastro viril encoxar em minha bundinha. Adorei. Mas ainda forçando recuperar minha calcinha, e na mesma posição encostada naquele mastro, pedi para ele parar que eu tinha que ir embora, mas não com o mesmo tom de voz e ao mesmo tempo forçando minha bundinha para trás, quando então ele falou no meu ouvido que achava que aquela calçinha não era minha, porque era muito pequena.
Eu na mesma melação disse que era sim, então ele mandou eu provar, que se eu provasse que a calçinha era minha ele soltaria e me deixaria ir. Eu respondi que não tinha que provar nada, pois a calçinha era minha e pronto. De imediato, não sei como, porque aquela mão grande e eu com uma calça muito justa, senti sua mão me invadindo por dentro da calça e chegou na minha xaninha que estava toda encharcada de tanto tesão que eu estava.
Eu tentei brigar mais a reação me entregou, pois sem querer dei uma pequena gemida, mas continuei tentando a sair, sendo todas em vão, e sua mão já massageando no meu ponto fraco. E nesse puxa de um lado e puxa do outro, eu já não tinha reação de defesa, e ele notando aos poucos foi me levando para debaixo da construção, até que me encostou em uma parede e disse. Você é a mulher mais cheirosa e gostosa que esteve tão perto de mim. E eu nada respondia, só pedia para parar, e isso apenas de encenação, pois estava realizando uma de minhas fantasias.
Ele tirou a mão de dentro da minha calça e abriu o zíper, descendo-a até meus pés, e confirmou que eu estava sem calçinha. Nessa hora eu retruquei dizendo que ele havia dito que me deixaria ir, se fosse verdade sobre a calçinha. Como ele estava abaixado atrás de mim e com minhas calças arriadas, ele rapidamente deu uma lambida na minha xaninha que chegou até meu cuzinho, que quase gozei, em uma só e ao mesmo tempo, me soltou e disse: -Pode ir, palavra é palavra.
Não acreditei. Mas tive que me arrumar. Ele me soltou, mas não saiu de trás, então abaixei para puxar a calça, e direcionei minha bundinha em sua direção. E ele não resistiu. Aí, meu deus, quase morri, porque tomei outra linguada que parecia um pau me comendo, só que em vez de sair, eu continuei na mesma posição, e pedindo para parar, porque palavra era palavra.
Ele me respondeu que cumpriu a palavra dele, e que eu tinha oferecido naquela hora minha bucentinha. Daí, não deu outra. Fiquei em pé com as pernas abertas, as mãos na parede e ele me chupando de uma forma que nunca vi, uma delícia, mordia minhas nádegas, metia o nariz no meu reguinho, depois metia a língua, voltava pra minha bucetinha, mordia entre as pernas, só sei que não agüentei e comecei a gozar feito louca, e ele não deixando descer uma gota do meu mel, quando fiquei então paralisada com as pernas tremendo de fraca que fiquei. Ele se levantou ainda com aquele mastro oculto, e começou a falar comigo beijando meu pescoço nas costas, começando a me deixar arrepiada e por conseqüência me fazendo a empinar a bundinha.
E ele dizia, acho que você quer ser fodida né filezinho, Eu nada dizia. E ele disse que pelo o horário iria chegar o supervisor e que não poderia me ver lá, que mataria meu desejo rapidamente. Isso parecedia que ele havia advinhado. Ele então me pegou, com uma facilidade que eu me senti uma bonequinha de porcelana, não mão daquele cara, e pensando em diversas coisas que ele ia fazer comigo, pois não sabia para onde estava me levando, só sabia que era lá pra dentro do prédio em construção, daí me colocou sentada em alguns concretos e aí sim, e me apresentou seu instrumento de trabalho.
Quando olhei, apavorei, e disse que aquilo eu não agüentava. Ele riu e disse que sim, que uma mulher como eu, agüentava qualquer pau. Daí pegou minha mão e levou até seu pau, fazendo o movimento de uma punheta, me pedindo para chupar. Obedeci e caí de boca. Pronto estava realizando meu sonho, Aí comecei chupar que nem uma puta, da mesma forma que eu aprendi vendo os filmes pornôs com meu namorado, e meu pedreiro só me elogiava e me chingava ao mesmo tempo, der repente ele segura minha cabeça, tirando de meu controle a entrada e saída do pau em minha boca, e começa a socar forte indo até lá dentro de minha garganta, até inchar e jorrar leitinho na minha guela, que por sinal adorei e bebi tudo, o que jamais havia feito.
Depois do leitinho ele afrouxou minha cabeça e eu continuei limpando aquele pau todo. Após me levantei completamente possuída pelo desejo, pedi para ser fodida, quando para minha surpresa e corretamente, ele disse que não poderia, pois estávamos sem camisinha. Isso me deixou mais louca ainda por ele. Daí fui ao banheiro me limpei e me arrumei, quando coloquei a calçinha, ele riu e me chamou de putinha e de artista, pois tudo que aconteceu era armação minha. Eu ri e fui pro carro, pois a chuva já havia melhorado. Nisso um cara estava chegando.
Quando entrei no carro, meu pedreiro me chama diz que o supervisor chamou sua atenção e provavelmente iria despedí-lo, porque permitiu minha entrada no canteiro de obra, pedindo então que eu explicasse o motivo, ou seja, de ir ao banheiro, e eu como uma boa menina, fui. Ele ainda disse para aguardar, que ele iria até a fármacia e voltava logo, enquanto eu conversava com o supervisor. Nossa…… Mas isso é outra história.