Meu namorado bebeu muito e o amigo dele me traçou



Click to Download this video!

Sabe quando você tem uma coisa dentro de você e tem que colocar essa coisa para fora? Pois bem, é exatamente isso que está acontecendo comigo. Meu nome é Luciana, tenho 26 anos e vou contar para todos algo que mudou totalmente minha vida, namoro um homem apaixonante há exatos seis anos, seu nome é Carlos, nos completamos perfeitamente, ele tem 32 anos, aproximadamente 1,80 de altura, está um pouco fora de forma, mas nunca deixou a desejar na cama, ele não é um modelo, mas é extremamente gentil e me trata com muito carinho, é formado em direito e sempre tenta atender os meus desejos. Eu sou uma namorada bem dedicada, sempre faço coisas que eu sei que ele adora, sem contar que (modéstia a parte) sou uma gostosa! Não sou alta, tenho 1,62 de altura, só que eu compenso pelas minhas medidas, tenho bunda grande, coxa grossa e seios fartos, várias vezes já me perguntaram por que eu não tento ser Panicat, além de gostosa também sou bem bonita, tenho uma pele branquinha, nariz fino, pé pequeno, olhos verdes e cabelo liso bem preto, sou descendente de italianos, já deu pra imaginar como eu sou né?
Há alguns meses atrás meu namorado armou um passeio no litoral, íamos para Ubatuba aproveitar o final de semana, eu já estava doidinha, queria estreiar meu biquininho novo, verde clarinho e bem ousado rs rs rs, meu namorado tinha conseguido uma casa emprestada de um amigo, era um imóvel grande e bem estruturado, super perto da praia, a principio eu achei que ficaríamos sozinhos lá, mas logo ele me disse que um casal de amigos que moram em São Sebastião (também no litoral) e que eu não conhecia, ficariam lá com a gente, não vi mal nenhum nisso e continuava muito empolgada.
Viajamos logo na sexta a tarde, chegamos a noite na casa e já fomos dormir, no sábado de manhã, bem cedinho, acordamos com alguém gritando na porta da casa, era o amigo do meu namorado, ele parecia um louco e não parava:
– Acorda Carlos, vamos pra praia!!! Levanta cara…
Aposto que ele acordou boa parte da vizinhança, eu fiquei puta da vida e falei para o Carlos levantar e atender logo a porta, eu ainda estava deitada e pude ouvir toda a festa que eles estavam fazendo (coisa de homem), demorei um pouco para levantar, coloquei um shortinho e um top e fui até a cozinha (onde eles estavam), chegando lá pude conhecer o tal amigo do meu namorado, que foi logo se apresentando:
– Oi, você deve ser a Luciana, prazer sou o Rômulo, amigo do Carlos.
Rômulo era um homem de uns 40 anos aproximadamente, não era muito bonito, era moreno de praia e tinha um corpo legal (melhor que do meu namorado rs rs). Ele me cumprimentou, me puxou, deu dois beijinhos e eu pude notar claramente que ele ficou de olho nos meus seios, que a essa altura já estavam bem ligados, cumprimentei ele e perguntei sobre sua esposa:
– Você veio sozinho, cadê sua esposa?
Na hora já vi que tinha feito merda, ele ficou meio cabisbaixo e meu namorado já foi se explicando:
– Xii amor, o Rômulo está se divorciando da esposa…
Eu fiquei com vergonha, pedi desculpas e tentei mudar o assunto, já que a merda já estava feita, o bom é que logo ele se animou novamente e começou a falar sobre outras coisas… mas uma coisa continuava me incomodando, ele não parava de me olhar, eu levantava ele olhava minha bunda, quando eu estava de frente seu olhar era fixo nos meus seios, aquilo não estava me deixando a vontade… mas fazer o que?? Ele já estava passando por um problema sério, eu não queria deixar o cara mais desconfortável ainda, por isso fui relevando.
Passado um tempo Rômulo começou a acelerar a gente para irmos à praia, ele disse que tinha uma parte bem legal que tinha um quiosque relativamente perto, eu me animei, fui me arrumar, já coloquei meu belo biquininho por baixo e fomos para areia, eu estava seca de vontade de entrar no mar! Chegamos rapidinho e logo encontramos um lugar bem bacana, montamos nossa base e eu fui tirar a camiseta e o shortinho, não preciso nem falar que quando eu fiquei de biquíni o cara quase engasgou, meu deus, ele ficou com o maior olho do mundo pra cima de mim e o pior é que o Carlos parecia não ver nada, tanto que na hora ele inventou de ir buscar cervejas e algumas coisas para beliscar no quiosque, que apesar de perto dava bem uns 500 metros de onde a gente estava.
Ficamos eu e o Rômulo na areia e ai eu pude ver que minha impressão dele estava correta, na hora que o Carlos saiu à primeira coisa que ele disse foi:
– O sol está muito forte Lú, acho melhor você passar protetor, me dá aqui que eu passo em você!
Claro que de cara eu disse não, mas ele ficou insistindo muito e eu fiquei um pouco sem graça e acabei aceitando aquela “gentileza”, me deitei de bruços em uma canga e ele começou a espalhar o protetor, no começo ele estava bem comportado, mas logo passou a espalhar o creme em minha bunda e não parava de alisar aquela região, em um dado momento ele chegou a passar a mão por baixo e só parou quando percebeu que meu namorado voltava, não falamos nada, mas eu pude perceber claramente um enorme volume em sua bermuda (e que volume!!!).
Carlos voltou e me trouxe uma caipirinha, bebi toda rapidamente e logo parti para cerveja com eles, ficamos ali por um tempo bebendo e beliscando algumas coisas, só que já estávamos a um bom tempo na areia e eu estava louca para entrar na água, chamei meu namorado que prontamente recusou, disse que não entraria na água salgada por nada, eu fiquei meio chateada com ele, agora chuta quem se animou prontamente para ir para o mar comigo? Claro né! Mais uma vez eu fiquei sem graça e acabei indo com ele pra água, nem chegamos e ele já começou com a safadeza, sempre arrumava um jeito de me encoxar e passar a mão (discretamente) na minha bunda, toda a hora eu fugia, mas eu já tinha tomado umas e acabei entrando na brincadeira, afinal não tinha nada de mais em algumas reladas, o problema é que em uma das “chegadas” ele passou o pau em mim com força, tava duro, fiquei bem sem jeito, mas continuei agindo como se não tivesse acontecendo nada, ficamos ali brincando por um bom tempo até que o meu namorado chamou a gente:
– Eiiii, vão me deixar aqui sozinho mesmo? Já chega né?
Fomos até a areia, ficamos mais um pouco na praia e logo resolvemos voltar para casa.
Chegando a casa meu namorado começou a papear com o Rômulo e eu aproveitei para tomar mais umas cervejinhas e entrar na piscina da casa, em pouco tempo estávamos os três na piscina bebendo e conversando, eu já tinha praticamente esquecido do que tinha rolado na praia e o Rômulo estava mais comportado. Continuamos nisso até o momento que o Carlos teve a ótima ideia de começar um churrasco, a Piscina era daquelas altas que ficam fora da terra, ou seja, não dá muita visão para fora e a churrasqueira ficava meio que na lateral da casa, pronto, estamos sozinhos de novo, eu e o Rômulo, e não demorou muito para ele chegar perto de mim, só que dessa vez todos nós estávamos mais “altos”.
– Com todo respeito Luciana, mais que bunda linda você tem, ou melhor, que corpo lindo!
Eu agradeci:
– Muito obrigado Rômulo.
O problema é que isso parece ter sido o start para ele começar a tentar alguma coisa, ele chegou me pegando pela cintura e esfregando novamente aquele monstro na minha bunda, dessa vez eu afastei e dei uma chamada nele, falando baixo para o Carlos não ouvir:
– Sai daqui, o que você tá pensando? Você é muito abusado!
Só que ele era muito sem vergonha e me disse:
– Abusado nada, só acho você muito gostosa e sei que você ficou tarada na minha rola…
– O que é isso Rômulo, você é amigo do meu namorado, o que você está falando!
Ele estava muito determinado, chegou ao meu ouvido e disse:
– Olha aqui embaixo, dá uma olhada no tamanho dele!
Quando abaixei a cabeça eu vi o tamanho do pinto, era muito grande, no mínimo tinha o dobro do tamanho do pinto do Carlos, confesso que aquilo me deu um choque, eu nem tive tempo de falar nada, com uma agilidade impressionante ele pegou minha mão e encaixou em sua rola, com uma cara de safado ele disse:
– Tá sentindo o calor? Você gostou né? Mexe um pouco nele vai…
Eu queria e não queria pegar naquilo, mas comecei a mexer nele levemente, isso foi a deixa para ele começar a chupar meu pescoço e massagear meus seios por cima do biquíni, eu estava dominada, quase em transe, só que isso durou pouco, logo meu namorado gritou chamando a gente e eu me recompus rapidamente e afastei o Rômulo, fui saindo da piscina e ainda deu tempo dele dar uma passada forte de mão na minha bunda, olhei com uma certa raiva para ele, desci e fui em direção ao Carlos, chegando lá ele disse:
– Seguinte, vou dar um pulo no mercadinho para comprar algumas coisas que estão faltando, vocês vão deixando as coisas no jeito enquanto eu vou lá, pode ser?
Eu já ia falando que queria ir junto com ele, mas o Rômulo falou antes:
– Pode deixar Carlão, vamos deixar tudo no jeito..
Eu não disse nada… deveria ter falado alguma coisa, mas não falei nada! O Carlos me deu um beijo e foi até o carro, quando ele saiu eu fui para dentro da casa e o Rômulo chegou junto e me pegou pelo braço:
– Não, você não vai escapar agora, vamos terminar o que começamos.
Ele disse isso e já foi colocando o pau pra fora de novo, eu olhei pra ele e já fui falando:
– Nem pensar, sai daqui com isso, não vou dar pra você! Eu amo meu namorado.
Mas ele era insistente e ficava tentando me agarrar, a merda é que eu comecei a excitada com aquela situação e não conseguia tirar os olhos daquela rola imensa. Em um dado momento ele me segurou firme e começou a passar o pau em mim, eu tentei fugir mas não conseguia, ele era bem mais forte e começou a me pressionar para baixo, quando me dei conta eu já estava de joelhos na frente daquele cassete descomunal, e ele me disse:
– Vai Lú, me dá uma chupada forte, eu sei que você está louca para colocar na boca o meu cassete, se você me chupar eu paro de te encher.
Eu refleti rapidamente e achei por bem cair de boca naquela pica, e olha, era muito grande e gostosa, que rola deliciosa, ela pulsava na minha boca e parecia que crescia mais a cada chupada, eu só queria mamar e ver até onde aquilo ia, e o Rômulo não parava:
– Eu sabia que você tinha fome de rola, vadia! Vai, chupa gostoso… enfia até o fim, vou foder essa boca inteira…
Eu nem ligava, só queria mamar forte e apreciar aquela rola e o filho da puta forçava, ele queria colocar até o fim, mas eu não aguentava. Eu estava chupando com vontade e ele resolveu deixar a coisa mais picante, enquanto eu trabalhava no seu cassete ele resolveu retirar a parte de cima do meu biquíni, quando ele viu meus peitões ficou completamente louco e começou a gozar! E como gozou aquele cavalo, ele me lavou de porra e nem me avisou, gozou na boca, no cabelo, nos meus seios… confesso que não acreditava no que estava acontecendo, eu estava literalmente lavada de porra, não pensei duas vezes, corri para o banheiro e fui tomar uma banho urgente!
Quando sai do banheiro meu namorado já tinha chegado e voltou reclamando:
– Nossa, que legal, vocês não fizeram nada? Bom, vamos arrumar logo, se não o churrasco não vai sair hoje.
Eu mal conseguia olhar para o Carlos, estava morrendo de vergonha e me sentindo muito culpada, eu tinha acabado de fazer um boquete no seu amigo. O Rômulo parecia não se incomodar e continuava levando tudo numa boa.
Aquele dia estava muito estranho e as coisas aconteciam de uma forma descontrolada, o churrasco começou e passamos a beber e comer, meu namorado queria enfiar o pé na jaca, ele bebia de tudo e estava ficando bem chapado e também safado, me puxava para o seu colo e ficava falando besteiras:
– Olha que delicia minha namorada Rômulo, é boa ou não é??
Eu ficava com vergonha daqueles comentários, mas também já estava meio alta e acabava relevando, já o Rômulo concordava com tudo:
– Realmente uma delicia Carlos, você é um homem de sorte.
Ele falava isso e ficava me olhando.
O churrasco e a bebedeira continuavam e a noite chegava, em um determinado momento meu namorado apagou totalmente, ele se deitou no sofá da sala e estava totalmente desacordado, tentei levantar ele várias vezes, mas não dava nem sinal, fui tentar ergue-lo, só que antes disso senti o Rômulo me puxando e falando:
– Ele não vai acordar, relaxa, hoje você vai dormir comigo.
Eu gelei e já fui retrucando:
– Não, você falou que não ia mais me incomodar, eu fiz o que você pediu.
– Lú, para de papo furado, eu não vou perder a chance de experimentar essa bucetinha linda, quero te comer inteira.
Eu nem consegui argumentar nada, ele já fou me levando para o quarto, eu não acreditava, meu namorado dormindo na sala e eu indo para o quarto levar ferro do seu amigo, e o pior, eu estava totalmente sem ação!
Ele me pegou com força e me jogou na cama, sem perder tempo já foi tirando sua roupa e ficando completamente nu na minha frente, subiu na cama e foi dando ordens:
– Vai, fica de quatro e abre suas pernas…
Fiz o que ele mandou, abri as pernas e ele colocou meu biquininho de lado e foi logo chupar minha buceta, sua língua ia fundo e ele dava leves mordidas nos lábios da minha vagina, eu estava ficando louca e ele falou:
– Fica de olho na sala, se o Carlos acordar você avisa!
A porta do quarto dava visão para a sala e eu estava com a cabeça virada para porta, claro que eu estava preocupada, mas também estava tomada de tesão e ele continuava me chupando forte, eu ia gozar e o Rômulo percebeu:
– Tá querendo gozar puta?? Não vai não!!
Ele parou de me chupar bem na hora, me puxou pelos cabelos e retirou a parte de cima do meu biquíni, liberando totalmente meus melões, ele tinha uma grande fixação nos meus seios e começou a mamar com força, ele lambia, chupava, apertava e parecia que queria arrancar os biquinhos, eu fiquei louca novamente e forçava a cabeça dele contra o meu peito, ele me chupava e eu ficava me tocando e segurando aquela vara imensa, estava muito gostoso só que o Rômulo queria me fuder, ele me colocou de novo de quatro, tirou a parte de baixo do meu biquíni e entrou sem dó, eu estava tão molhada que o pau dele deslizou inteiro para dentro, ele me preenchia totalmente, que caralho gostoso!!
O homem não tinha dó, ele me segurou novamente pelo cabelo e agora me montava com força, eu parecia uma égua levando ferro, dava pra ouvir o barulho da pancada de longe e eu tentava controlar os gemidos, não queria acordar meu namorado, mas tava começando a ficar difícil, eu estava totalmente fora de controle. Rômulo queria acabar comigo e bombava sem dó, em alguns minutos ele começou a se contorcer e me estocou forte, eu nem tive tempo de falar nada, quando percebi ele já estava gozando dentro:
– Você é louco… dentro não!
– Cala boca, vou te encher com a minha porra, eu só gozo dentro.
Filho da puta, além de me foder toda ainda goza dentro? Não tinha muito o que fazer, deixei ele terminar e desabei na cama pensando que tinha terminado, mas o Rômulo queria o “pacote” completo, quando olhei para trás ele ainda estava duro… saiu da cama, foi até o banheiro e voltou com um pote de creme na mão, na hora já percebi o que ele queria e disse:
– Não, nem vem com isso, eu não faço anal, nunca deixo o Carlos colocar no meu cu, esquece.
– Luciana, eu não sou o Carlos, pode apostar que eu vou comer seu rabo, e vou comer agora!
Ele veio até a cama e ficou de joelhos nas minhas pernas, eu estava de bruços e ele começou a passar o dedo no meu rabinho, primeiro foi um dedo, depois ele colocou dois e começou a doer um pouco, logo já tinha três. Ele estava lubrificando e preparando meu rabo para o ferro. Eu ainda não estava preparada e ele já foi colocando a ferramenta, parecia que ele ia me partir ao meio, era muito grande e doeu muito para entrar, mais ele foi até o fim, quando encaixou o pau inteiro no meu rabo ele só disse:
– Tá preparada??
Eu disse que não, ele começou a rir e passou a fazer o vai vem, meio devagar no começo, mais logo já foi acelerando e fodia com força meu cu, vou falar a verdade, no começo estava ruim e desconfortável, mas em pouco tempo meu rabo se acostumou e eu comecei a me masturbar também e a metida ficou gostosa, ele não saia do meu cu e encheu meu rabo de porra, quando ele terminou eu pude ver o estrago.
Fui para o banheiro, tomei um longo banho, quando sai ele tinha ido embora, meu namorado continuava dormindo na sala, decidi nem tentar acordar ele, fui para minha cama dormir um pouco, eu estava exausta.
No outro dia acordei e meu namorado já tinha feito o café da manhã, fui comer e ele me perguntou onde estava o Rômulo, eu disse:
– Ele foi embora, depois que você apagou ele quis ir para casa dele.
Percebi que ele ficou um pouco desapontado (mal sabia o que o amigo tinha feito), me pediu desculpa pelo porre! Depois disso, ficamos boa parte do dia em Ubatuba aproveitando um pouco mais a cidade, eu estava me sentindo culpada por tudo que tinha acontecido, pensei várias vezes em contar tudo para o meu namorado, mas tive medo, voltamos para nossa cidade e hoje continuo agindo como se nada tivesse acontecido, o problema é que eu penso no Rômulo todo o dia e morro de medo de ter uma recaída, a verdade é que depois que se prova uma rola grande dificilmente a gente consegue esquecer 😉