Meu marido bebeu demais e nao consegui evitar…



Click to Download this video!

Sou casada, tenho 28 anos ainda nao tenho filhos, me chamo Neuza,sou morena cabelos curtos, olhos castanhos, 1,72, 55k, meu marido tem 30 anos é muito bonito e sensual se chama Carlos, ele é muito ciumento e somos muito intensos na cama onde acho que nos completamos bem, ele diz q tenho a bunda q ele sempre sonhou. O que vou contar nunca imaginei que poderia acontecer comigo. Tudo aconteceu em janeiro desse ano qdo fomos a festa de aniversario de um amigo nosso, onde encontramos muitos conhecidos, amigos de infancia e ficamos bastante a vontade. Como o clima estava quente, eu fui com um vestido estampado floral pouco acima dos joelhos q me refrescava, por baixo um conjunto de renda azul marinho com a calcinha cavada e o sutiã pequenino do jeito q meu marido gosta de me ver, estava cheia de boas intensoes para o final da festa com ele. Tudo ia as mil maravilhas, meu marido se juntou numa roda com velhos amigos e eu fiquei noutra com as respectivas esposas. A noite foi passando e o papo foi girando por todos os assuntos, até q surgiu os comentarios das paqueras, as meninas diziam q eu estava linda e q estava chamando muito a atençãon dos homens da festa, mas eu desconversava, dizia q era impressao, e ficou nisso e mais algumas amenidades. Mas passei a observar depois disso q realmente eu estava chamando a atencao, ate percebi numa outra rodinha eles me apontando com os olhos e me comendo de cima embaixo. Até aí tudo bem, só olhares nao arrancam pedacos, e fiquei foi mais feliz com isso, só meu maridinho não podia perceber, senão iriamos embora na hora. E a festa foi rolando e a hora passando, eu bebericando uma cervejinha e meu marido na outra roda tb bebendo as dele, de vez em quando vinha ate mim e perguntava se estava precisando de algo, me cobrindo de atenções como sempre. Pedi a ele pra ficar ao meu lado um pouco mas disse q ia terminar um assunto com os amigos. E foi nessa a noite quase toda, veio umas tres vezes e ficou comigo e logo saia, mas isso eram todos, estavamos entre amigos. Mas com o passar do tempo fui percebendo que estavamos ficando por ultimo na festa, entao chamei meu marido pra irmos embora, e ele estava num papo acirrado com o dono da casa, um velho amigo, com os seus 40 e poucos anos, se chama Aroldo, e o mesmo insistia para que ficassemos mais, e eu recusando querendo ir embora. Foi qdo percebi que só restávamos nos na festa entao intimei meu marido a irmos embora. Aí caí na real q ele ja estava bastante alterado e talvez nem desse conta de dirigir. Nosso amigo e sua esposa que ja demonstrva bastante cansaço foram nos levar ate a porta qdo meu marido trocou pernas. Aí o Aroldo percebendo e parece q ele nao tinha bebido nada, interveio nos oferecendo para passar a noite na casa deles e depois com a nosssa negativa se oferecendo pra nos levar em casa. Mostrando chamou a atenção do Carlos aceitamos, onde ele guardou nosso carro em sua garagem e nos levou no seu carro, sua esposa dizendo-se cansada preferiu ficar afirmando q seu marido voltaria logo. Qdo entramos no carro meu marido entrou no banco de trás pra ficar mais a vontade e sentei-me na frente com o Aroldo que conversou um pouco com meu marido q mal respondeu lá atrás se deitando. Nesse papo foi q percebi Aroldo olhando minhas pernas enquanto se virava pra falar com meu marido. Fiquei vermelha, tentei disfarçar mas gostei e ate me subiu um calafrio, e mais a frente qdo ele passava marcha esbarrou de leve no meu joelho. Aí o calafrio subiu mesmo pela minha espinha e recolhi a perna rápido e ele pediu desculpas me olhando daquele jeito maroto. Respondi meio sem jeito mas fiquei na minha.Ele se virou nessa hora pra ver o Carlos e se voltou pra olhar gulosamente pras minhas pernas. Fiquei meio q assustada e com tesao, pois nunca tinha sentido aquilo antes. No resto do trajeto ele esbarrou masi umas tres vezes na minha perna e pude perceber q era de propósito mesmo, mas fui deixando minha perna lá, apesar do medo q Carlos percebesse algo, aí seria o fim da picada. O medo pedia pra q a viagem acabasse logo e eu pudesse correr pra minha casa e me preoteger, por outro lado o tesao estava tomando conta de mim e pedia pra viagem continuar por mais tempo, pois ele apesar de me bolinar discretamente nao era direto tb, tentava disfarçar. Me assustei qdo ele freou o carro e avisou, “chegamos”. Aí chamei meu marido e ele só resmungou, chamei dinovo e ele meio q acordado e dormindo resmungou novamente. Aroldo disse então q seria melhor ajuda-lo a entrar e dar-lhe um banho frio pra ver se ele melhorava. Entao entrou no banco de tras chamou meu marido e veio puxando ele e colocando ele em pé com muita dificuldade, tentei ajuda-lo tb e sorri daquela situação, nao era a primeira vez q meu maridinho exagerava daquele jeito apesar de nao ser sempre. Entao ele colocou o braço do meu marido sobre seu ombro e foi levando ele pra dentro, corri na frente pra abrir a porta quando ouvi meu marido resmungar: “Estou bem, pode deixar q entro sozinho”. Aroldo sorriu e pediu pra ele ficar tranquilo, que iria dar lhe um banho frio. Meu amrido resistiu e disse que nao, nao precisava de banho, queria ir direto pra cama. Relutamos mas nao conseguimos convencelo, entao pediu para ajudalo a subir para o quarto. E lá fomos nós dinovo, corri na frente da escada enquanto ele vinha trazendo meu mardio apoiado no ombro de cabeca baixa. Foi qdo estava no meio da escada e resolvi olhar pra tras pra ver se tava tudo bem e vi Aroldo parado segurando meu marido olhando pra cima. Imaginei o q ele deveria estar olhando, com meu vestido nao muito curto, mas q naquela posicao estava dando pra ele uma privilegiada visao, visão essa q é o maior motivo de ciumes do meu maridinho. Voltei a sentir calafrios dinovo e não sabia se voltava se continuava a subir, entao resolvi e continuei a subida e de vez em qdo olhava pra tras e via a cara dele vindo num esforco heroico pela escada acima. Entrei no quarto acendi a luz e indiquei a cama. Ele levou meu marido ate lá ainda resmungando q estava bem. Concordamos e ajudei ele a ajeita-lo na cama, foi qdo dinovo o surpreendi encarando meu decote, aí estavamos bem perto um do outro e nossos olhares se cruzaram. Fiquei arrepiada dinovo desviei o olhar com vergonha e medo, apesar de ja naquele momento estar toda molhada. Ele entao despediuse de meu marido q só resmungou e dirigiu-se a porta do quarto e eu o acompanhei depois de ajeitar o Carlos na cama. Descemos as escadas e ofereci-lhe agua e ele aceitou, pedindo depois pra trocar por uma cervejnha gelada, afirmando q acabou nao bebendo quase nada na sua casa pra dar atencao aos convidados. Trouxe duas latinhas e quando fui lhe entregar ele segurou minha mao junto com a lata e me olhou nos olhos, tentei puxar mas ele segurou firme e se aproximou mais de mim, ele é mais alto que eu e fiquei meio q hipnotizada, nao sei se foi devido as cervejas da festinha ou se pelo calor q comecei a sentir, voltei a forcar pra soltar minha mao e ele nao soltava, pensei em meu marido no quarto de cima e que ele podeira acordar e descer, mas ele segurava firme minha mao e foi se encostando mais em mim. Qdo estava quase colado levou a outra mao pela minha cintura, foi me puxando sem fazer forca, pois eu continuava hipnotizada e tentava esbocar reação mas já nao conseguia e fui atraida pra junto dele e recebi um beijo na boca suave e ardente, e seu braço ja me enlaçava mais firme e me puxava, correspondi aquele bejijo de olhos fechados e já ofegando, ele me beijou e me juntou a ele com tanta firmeza que num instante de lucidez tentei argumentar dizendo q era errado, que nunca tinha traido o Carlos, mas ele só me deu esta oporutnidade, voltou a me beijar novamente desta vez mais ofegante ainda, no que instintivamente correspondi loucamente, e ele sentiu q era dono da situação soltou a lata que estava na sua mao, me fez soltar a minha e me abraçou de vez me juntando a ele, foi qdo senti pela primeira vez o volume em suas calças precionarem minha xaninha, fiquei ofegante, ele comecou a beijar meu pescoco, de um lado e de outro, voltava na minha boca. Estavamos ate entao de pe na sala no meio dos sofás. Eu nao tinha coragem de abracalo, nao sei se medo ou o que, fiquei entregue aos caprichos dele. Ele percebendo continuou a me beijar e a me lamber o pescoco e foi descendo e mordiscando meus ombros por cima da alca do vestido, me soltou sem tirar as maos da minha cintura e foi dando a volta sem parar de beijar meu pescoco, ficou por tras de mim e levantou meus curtos cabelos e comecou a mordiscar minha nuca o que enclinei minha cabeca para o lado facilitando, descia nos ombros e subia lambendo e mordiscando me deixando arrepiada e molhada, suas maos acariciavam minha barriga foram subindo e seguraram meus peitos, um em cada uma e comecou a apertalos suavemente, depois comecou a brincar com os mamilos que já estavam espetando quase furamdo a peça. Nisso ele esfregava seu volume na minha bunda, e eu ja comecava a me arrebitar pra sentir melhor suas roçadas. Sentia a respiração ofegante dele no meu pescoço. Foi qdo ele afastou uma alça e depois a outra e fez meu vestido cair suvemente pelos meus ombros até chegar aos meus quadris onde ficou preso, ele deixou lá e levou suas maos aos meus seios novamente comecou a bolinar meus mamilos, hora bolinava um hora apertava os dois, depois puxou o sutia de lado ate aparecer meu biquinho, e ele sem sair de trás continuou acariciando e mexeu neles como se estivesse sintonizando um rádio, torcendo os biquinhos e deixando eles mais durinhos ainda. Sussurrou no meu ouvido que eram os peitos mais lindos que ja tinha visto, e foi me virando e segurando os dois levou sua boca e primeiro lambeu um de cada vez, fui as nuvens e voltei só pra ver mais, depois comecou a chupar passando alingua com volupia mas muito carinhoso, aquilo fez descer um rio nas minhas pernas, estava toda lambuzada e eu já segurava sua cabeca enquanto ele mamava nos meus biquinhos. entao ele foi descendo beijando minha barriga e tescendo elogios, achou lindo minha barriga ficar toda arrepiada quando ele lambeu e beijou, beijou, lambeu meu umbigunho e continuou descendo, chegou na cintura deparou com o vestido ainda ali, me pediu pra virar de costas, no que obedeci hipnotizada. Ele comecou a puxar o vestido e a medida que ia descendo ele ia beijando as partes que apareciam. Qdo apareceu a calcinha ele fez questao de desviar e descer somente vestido deixando a calcinha, fazendo cair no chao onde acabei de tirar. Nisso ele ja estava beijando minha bunda lambendo e dando beijinhos e mordidinhas, não pude evitar e me arrebitei pra facilitar suas caricias. Depois de beijar e mordiscar minha bundinha toda se levantou me segurou pela cintura e me virou me dando um delicioso beijo na boca e acabou de tirar meu sutia. Como eu nao tomei ate aquele momento a iniciativa ele comecou a tirar sua camisa, nesse momento ainda aproveitei pra dar uma conferida no alto da escada pra ver se estava tudo bem, e voltei pro ambiente da sala, ele acabou de tirar a camisa e comecou a desabotoar o cinto, aí resolvi tomar a iniciativa e terminei de desabotoar a calça e fui abrindo o ziper, como agarrou um pouco pelo volume, me sentei pra facilitar o resto e fui abrindo, mas o volume que formava atrapalahva um pouco, foi qdo ele me ajudou baixando as calcas e ficando só de cuecas, foi qdo pude ver o volume era enorme. Fiquei olhando e ele puxou minha cabeca de encontro, exitei um pouco mas com a incistencia da mao dele na minha nuca me aproximei e beijei por cima da cueca. Qdo beijei dinovo ele segurou minha cabeca colada nele e senti o cheiro dele, que foi com um elixir, não resisti e abri a boca e comecei a fazer caricias por cima da cueca, ele continuou me segurando, mas como fui diminuindo a resistencia ele me soltou e eu ja acariciava espontaneamente passando a boca em toda a estensao por cima da cueca, pois nao tinha a intensao de fazer diretamente, estava ainda cheia de pudores, mas qto mais acariciava e percebia a cara de tesao dele mais excitada ficava, aí ele veio e enfiou a mao dentro da cueca e comecou a tirar pra fora, como nao me afastei, pois fiquei hipnotizada pelo tamanho do pau que foi saindo pra fora da cueca, ele ficou balancando aquilo na miha frente, era muito maior que o do meu marido, tinha a cabeca grande e vermelha, era reto e nao torto como o do Carlos. Então Aroldo foi esfregando aquele mastro no meu rosto, passou na minha buchecha de um lado e de outro. Não conseguia sair de perto entao ele se posicionou meio q de lado e colocou ele de lado e esfregou na minha boca fazendo vai e vem. Não resistindo coloquei a lingua pra fora onde ele deslizou num vai e vem lateral, nao aguentando mais sentir ele de lado e o cheiro gostoso que exalava dele, me afastei devido ao tamanho pra cabeca ficar de frenta pra mim. Então Beijei a cabeca e fiz como meu maridinho me ensinou, fui lambendo molhando ela depois fui engolindo como se fosse um sorvete e voltava sugando novamente, fazendo vai e vem suave, comecava a engolir e quando pensava que ia caber encostava na minha garganta ficando um tanto ainda pra fora, e acho isso ruim pois me incomoda, entao me dediquei so na cabecona e lambendo o pau todo de lado, fui lambendo e sugando ate a base, quando comecei a fazer movimento de vai e vem dinovo na cabecona, senti ela comecar a pulsar e ele foi fazendo movimentos com os quadris pra ajudar, senti q iria gozar, entao pensei q se caisse no chao poderia manchar o tapete, nao teve outro jeito, nao daria tempo parar e apesar de nem com meu maridinho ter feito isso, ele gemeu forte e veio o primeiro jato na minha boca no que e ngoli rapidinho, e veio outro e mais outro e outro e segurei na base daquele pauzao e e fui mamando tudo sem deixar uma gota cair no chao e ele se contorcendo e gemendo abafado pra nao alardiar, ajudou segurando minha cabeca pra nao me afastar. Depois de sua ultima contração ele me puxou pra ficar de pé e me beijou na boca ardentemente e disse que foi uma loucura, que ja havia alguns dias q nao transava com sua mulher e por isso acabou rapido, e me beijou dinovo e me susurrou no ouvido: “Agora é sua vez minha delicia, vem q vou te retribuir tudinho, cada lambida”. E foi beijando meu pescoço e descendo parou nos meus peitos que ja doiam de tesao e mamou em cada um alternadamente, alisando minha barriguinha foi descendo cheirou minha chaninha por cima da calcinha e passou a mão nela e me mostrando como eu estava melada, tanto que vazava por ela, se abaixou beijou por cima da calcinha e me pediu pra virar de costas novamente e me empurrou de encontro ao sofá, onde fiquei ajoelhada no assento e me apoiei no encosto, tudo isso guiada por ele, foi entao que veio por trás, disse que era uma bunda maravilhosa, contei q meu marido morria de ciumes e comentava q os homens nao tiravam os olhos dela, ele confirmou e comecou a beijar minhas coxa embaixo e veio subindo, lambendo e beijando, eu fiquei louca de tesao, quando chegou na minha bunda ele passou a lingua em toda ela, me arrebitei e ele gemeu de tesão, “que linda, deixa assim arrebitada safadinha”. Lambeu minha xaninha por cima da calcinha, beijou minha bundinha toda e nao parava de elogiar, eu ate entao estava de olhos fechados resolvi olhar pra tras, ele lambendo e beijando e se posicionou para tirar minha calcinha, foi quando vi que seu pau ja estava novamente duro e latejando e parecia maior q antes, ajoelhado atrás de mim ele foi puxando a calcinha e fazendo ela descer por minhas pernas e levou ate os joelhos dobrados deixando lá, enfiou a mão no meio das minhas pernas e levou o polegar na minha rachinha e passou em toda sua extensao de cima pra baixo, quase gozei arfando de tesão, desceu ate meu grelinho q tava inchado como uma uva e parou nele e comecou a massagear de leve, continuei delirando e olhando aquela cena e sentindocalafrios e minha xaninha se contraindo, quando ele veio com seu rosto se aproximando e sem tirar o dedo e parar a massagem beijou minha xaninha e comecou a esfregar os labios nela e a cheirar e me chamar de gostosa tesuda, que era a bunda mais cheirosa que ele ja lambeu e comecou a passar a lingua de leve na rachinha, pra cima e pra baixo devagar, e o danado do polegar continuava me fustigando meu grelo, e lambia, e massageava meu grelo e só tirava o dedo dele pra poder substituir pela lingua, fiquei louca e lambia pra cima e subiu mais e descia e chegava com a lambida pertinho do meu cuzinho e voltava lambendo minha chana e subia, ate q num momento subiu e comecou a lamber em volta do meu cuzinho devagar e foi lambendo e se aproximando, minha bucetinha comecou ate a doer de tesão, aquilo foi me dando um tesao tao grande que minhas pernas estavam ficando bamba e eu quase caindo do sofá, mas ele nao parava e quando estava ja lambendo bem na portinha do meu aninhos ele parou e desceu pra rachinha e fooi subindo devagar novamente, só q dessa vez nao parou, sua lingua passou pelo meu aninhos todo de um lado para o outro e parou nele lambendo ele todo, e sem parar o dedinho no meu grelo levou a outra mão e comecou a massagear meu aninhos com o indicador, e revesava lambendo e passando o dedo, depois posicionou a pontinha da sua lingua no meu aninhos e comecou a forcar a entrada, e a medida que forcava aumentava a masssagem no meu gerlinho, me deixando fora de mim, depois substituiu a lingua pelo dedo e foi forcando devagar e fui sentindo ele fazendo vai vem com o dedo que entrou macio no meu rabinho que estava todo lambido e babado, fui me descontrolando e comecei a sentir as contracoes chegando, a unica reação que tive foi abafar meus gemidos no sofá, arrebitei meu rabinho o mais que pude na cara dele e sentindo seu dedo no meu rabinho e o outro no grelo senti meu grelinho inchando e pulsando, rebolei gozando na cara dele, e em movimentos rapidos ele descia lambendo e enfiando a lingua na minha rachinha, senti meu gozo descer pelas pernas e ele lambendo. Antes de acabar minhas contrações percebi ele se posicionando em pé atrás de mim e segurar aquele pauzão enorme apontando pra minha bundinha arrebitada, nao tinha forças para reagir pois estava me contraindo ainda pelo primeiro gozo que parecia nao querer acabar, só espereisentir a estocada, mas ele veio delicado esfregou a cabecona na minha rachinha de cima abaixo, repetiu mais uma vez, e posicionou na entrada e comecou a empurrar, não quis entrar de primeira, enlouqueci, queria ele dentro, ele forcou dinovo e eu rebolei me ajeitando nela, quando entrou a cabeca, senti me preenchendo toda e o resto começou a deslizar atrás e ele comecou a enfiar devagarinho, as contracoes que estavam quase parando foram voltando, e antes dele acabar de enfiar aquele pau em mim, quando comecou a puxar pra segunda estocada entrei em parafusos e veio meu segundo orgasmo ou o primeiro que nem tinha acabado, e ele sentiu minha bucetinha mordendo seu pau comecou a cadenciar o movimento do pecado e veio metendo aquele pauzão dinovo e fui gozando, gozaaaaando, gozaaaaaaando, parece q o safado sabia que adoro ser fodida devagar, ele nao socou forte, metia tudo na minha bucetinha e tirava cadenciado e devagar, e fui gozaaaaaaanddooo, não queria para de gozar e morder o pau dele com a rachinha, aí fui relaxando dinovo voltando a respiracao ao normal e o safado me perguntou se gozei gostoso? Não respondi, mas adorei a pergunta. Ele continuou dentro de mim sem gozar desta vez e ficou metendo e tirando, olhando pra minha bunda tarado, entao ele metendo levou seu polegar no meu aninhos e acariciou, depois trocou pelo indicador e enfiou devagar, adorei, e eu olhava pra ele e ja adivinhando o q ele queria, fiquei com medo mas sabia que pediria, foi qdo ele tirou pra fora todo e fez escorregar melado do meu gozo no meu rego, e ficou escorregando aquela varona me fustigando, fazendo ele escorregar bem no meu cuzinho como fez na minha boca no comeco, isso tava uma delicia, podia ver aquele pauzão escorregando entre minhas nádegas e me arrebitei provocando ele, mas se ele quisesse entrar nele… nao deu outra, ele segurou com a mao na base e pincelou na minha raxinha e entrou todo nela, tirou e entrou dinovo, depois tirou, ficou olhando minha bunda um instante e veio com ele e posicionou a cabeca na entrada do meu cuzinho. Eu tava olhando pra ele e ele acenou com a cabeca como quem pedia permissão, eu meio receiosa sem dizer uma palavra acenei tb com a cabeca concedendo o q ele me pedia, ele então posicionou nele e comecou a forcar, eu fiz careta pedindo cuidado, entao ele atendeu, ai veio forcando dinovo, senti a pressao mas segurei firme, e senti ela passando, senti dor fechei os olhos, mas ele tirou rápido pra meu alívio, aí comecou a colocar novamente e a tirar somente a cabeca e fui me acostumando e me arrebitando pra ele, a medida que ele tirava e colocava ele deixava ir um pouco mais fundo, aquilo lubrificado pelo meu gozo foi num crescente e ele ainda segurando na base foi tirando e colocando até que sentiu que eu estava relachada soltou a base dele e foi so nos movimentos de quadris, entrando e saindo, olhei pra trás vitoriosa pois ele ja entrava todo no meu aninhos e saia macio, segurou minha cintura e me chamou de potranca e que era meu cavalao e que ia comer meu cuzinho gostoso, e comecou a socar mais fundo e tirando e socando senti sua pelvis bater na minha bunda, se inclinou um pouco e enfiou a mao direita nas minhas pernas e comecou a massagear meu clitóris, aí fui ao delírio, comecei a sentir muito tesao e ele me chamando de cadela de potranca, pedia pra eu arrebitar mais meu cuzinho pra ele, eu obedecia prontamente, nem com meu marido tinha sido tao gostoso e sem dor como estava sendo, apesar de ser menor. Entao ele foi ficando mais agitado e comecou a socar mais forte com mais vigor e continiuava masssageando meu grelo e fui sentindo meu grelinho inchar novamente, e meu cuzinho preenchido, ele avisou que ia gozar no meu cuzinho, aquilo foi como um choque elétrico no meu grelinho, comecei a sentir espasmos novamente quando ouvi ele comecando a arfar no meu ouvido avisando que ia encher meu rabinho de leite quente, e comecei a gozar dinovo, gozei gostoso espetada por tras como nem meu maridinho fez comigo antes e senti ele derramando em golfadas seu leitinho quentinho dentro meu cuzinho, arfou e estocou fundo me enchendo toda e eu sentindo meu cuzinho ordenhando aquele pauzao e minha xannha se contraindo junto me deixando louca. Quando acabou deitei no sofá e ele caiu de lado um pouco com seu pauzão todo ordenhado e melado, mas levantou se logo e disse que precisava ir, concordei plenamente, ele me beijou se vestiu e se foi. Me levantei tb, conferi o estado da sala pra ver se nao ficou vestijos, entrei no chuveiro me lavei satisfeita e fui deitar do lado do meu maridinho que perguntou o que aconteceu e eu disse que ele nao quis ir tomar banho que eu fui em seu lugar, pois estava muito calor, e ele nem notou, dormimos agaradinhos e tranquilos. Isso nunca mais se repetiu.