Minha namorada a safada que não perde um bom negócio!



Click to Download this video!

Uma virada de 180 graus!

Foi exatamente isso que aconteceu em minha vida! Meu nome é Rogério, tenho 34 anos, sou moreno, tenho quase 1m90 de altura, não tenho porte atlético e nem sou gordo (estou no meio termo), minha beleza é mediana, mas sempre tive um bom papo e isso acabou me rendendo uma namorada “show de bola”, e falo isso sem rodeio ou dúvidas!

Nayara tem 25 anos e é, literalmente, uma linda flor selvagem. Morena radiante, pele macia e maravilhosa, um sorriso que contagia a todos e um corpo que chama atenção por onde passa!

Seios firmes, empinadinhos e macios, bunda arrebitada e bem suculenta. É um conjunto totalmente harmonioso que nunca passa despercebido e, pra completar, é uma mulher de bom gosto impar, se veste bem e é muito sensual, sempre mostra o necessário (gosta de decote e saias curtas).

Não preciso nem falar que nosso relacionamento é muito bom, sexo nunca falta e é sempre da melhor qualidade, vira e mexe, eu arrumo espaço na minha agenda para ficar mais tempo com ela, sou vendedor de imóveis e minha vida é bem corrida e agitada, não só a minha, a da Nayara também é, ela também trabalha com vendas e locação imóveis, só que em outra empresa, ou seja, estamos sempre correndo pela cidade tentando grandes vendas.

Tudo ia indo muito bem em nossas vidas, até que dois meses atrás, Nayara mudou radicalmente seu comportamento, eu a percebia muito mais apática e principalmente sem atitudes, começou a ficar pouco disponível para o sexo e sempre apresentava um semblante apreensivo e distante. É claro que eu fiquei encucado e, a primeira coisa que vem a cabeça, é que ela vai te trocar por outro…

Eu perguntava constantemente o que estava acontecendo e ela sempre me dava respostas evasivas que não me convenciam, falava que estava cansada e que estava envolvida em uma venda complicada, falava também que o dono da empresa estava no pé dela e ela sempre falava que tinha muito medo de perder o emprego, já que suas metas não estavam sendo batidas constantemente.

Eu sempre tentava confortá-la, já que sabia que tinha um exagero na preocupação, pois as vendas dela não eram tão ruins assim, a questão é que mesmo falando, as coisas não estavam mudando, ela continuava com aquele comportamento estranho e, para piorar, começou a ficar menos disponível ainda e, sempre que marcávamos um jantar ou algo parecido, ela chegava atrasada…

Bem, eu achei que tinha que fazer alguma coisa para saber o que realmente acontecia!

Conversei com alguns amigos em comum e todos falavam a mesma coisa, que a Nayara estava mais quieta e na dela, mas que aparentemente não estava acontecendo nada de mais, mas eu não estava convencido e tinha que ir mais a fundo e, daí eu tive uma ideia.

Fui atrás de um gravador de voz e vídeo pequeno, encontrei um em formato de chaveiro (bem discreto) comportava até 8 horas de gravação, era perfeito! Marquei de tomar um café da manhã com ela no outro dia e discretamente joguei o chaveiro em sua bolsa, eu tinha certeza que ela nem notaria já que sua bolsa é grande e cheia de tranqueiras.

Fiquei muito ansioso com aquela situação, o dia demorava em passar e eu só pensava naquilo… À noite, nos encontramos (ela estava atrasada novamente), fomos jantar e, em um dado momento, ela foi ao banheiro e não levou a bolsa. Aproveitei rapidamente e resgatei o “espião”, meu coração chegava à boca e eu não via a hora de chegar a casa para ver se tinha ou não alguma coisa nas gravações.

Cheguei correndo, conectei o chaveiro no meu computador e já baixei todos os arquivos gerados, fui abrindo desde o primeiro, não tinha imagem alguma, já que estava dentro da bolsa, mas o áudio era bem compreensível, no começo não tinha nada de mais, ela conversava com colegas, com clientes e até conversas no mercado e posto de gasolina, estava até desistindo, não tinha nada de mais…, mas foi aí que alguma coisa começou a mudar, por aproximadamente 15 minutos de gravação, ficou um silêncio total, só ouvia os barulhos do carro e depois de portas abrindo e fechando, passos e um silêncio total.

Em seguida ouvi novamente a porta e aí começaram as conversas que eu “não” queria ouvir!

Nayara cumprimentou alguém, logo ficou claro que era um homem, o tratamento era, a princípio, bem formal:

– Olá Doutor Salles, tudo bem? Pronto para fecharmos o negócio?!

Ufa, era um cliente, foi o que eu pensei a princípio!

– Oi Nayara, tá tudo em ordem! Como passou de ontem para hoje? Espero que tenha passado bem, então, não estou muito certo sobre essa casa ainda, acho que preciso de um incentivo melhor, não vejo você muito empenhada em fechar essa negociação.

Eu continuava achando que estava tudo bem, mas o que veio a seguir começou a abrir meus olhos, Nayara mudou o tom de voz, começou a ficar alterada e disse:

– Não acredito Dr. Salles, isso é uma sacanagem, o senhor não pode voltar atrás nessa negociação, depois de tudo que eu venho fazendo… Eu dependo dessa venda, meu emprego depende dessa venda…

O Dr. Salles interrompeu minha namorada e disse:

– Nayara, eu entendo, mas é um negócio caro, essa casa vale quase quatro milhões… Pensa bem na sua comissão, eu sei que é alta, mas até agora não acho que você fez por valer…

– Fez por valer?! Como você pode falar isso? Faz cinco dias que eu chupo seu pau todos os dias, todos os dias!… Você praticamente me força a isso, eu engulo sua porra sempre, isso não é fazer por valer?!…

Eu não acreditava naquelas palavras, estava petrificado, um ódio tomou conta do meu corpo todo, só pensava em como ela era uma vagabunda, não acreditava que ela usava esse expediente para efetuar suas vendas!

Mesmo com raiva continuei ouvindo. O tal Dr. Salles ficava rindo de fundo, enquanto Nayara falava e, assim que ela terminou ele disse:

– Olha, sua boca é uma delícia, você chupa muito, confesso que é a melhor chupeta que eu já recebi em minha vida, já tenho quase 60 anos e meu pau nunca ficou tão duro quanto fica com você, olha, temos uma grande chance de fechar esse negócio, mas não vai ser hoje e acho que você deveria me agradar mais ainda, vem aqui e capricha na chupeta, chupa como se fosse sua última pica, faz bonitinho que eu prometo resolver tudo ainda essa semana.

Nayara ficou louca, começou a xingar o cliente e eles começaram uma discussão, mas logo o Dr. Salles cortou o assunto e foi enfático, mandou ela cair de boca ou ele iria embora, novamente um silêncio tomou conta do local e em pouco tempo comecei a ouvir um forte barulho de mamada, ela estava claramente chupando uma rola e o Dr. Salles gemia qual criança…, e ele ficava falando:

– Chupa vagabunda, vaaaiii, Aaahhh, que delícia, enfia na boca até ao final, vaaiiii, vaaiiíí,

Era fácil perceber que a chupada era feita com vigor e, não demorou muito, ele começou a urrar forte e disse:

– Aaaiiiíí, vaiii, engole tudo, toma todo meu leite, aproveita que tá quentinho…, vaiii…

E ele continuou:

– Perfeita! Foi sua melhor chupada Nayara, você é praticamente uma profissional hehehehe.

Nayara cortou o papo e foi logo falando:

– Posso contar com o contrato assinado amanhã?! Preciso dessa venda!

Eu não me conformava com sua frieza e determinação, ela estava chupando o pau do cara há praticamente uma semana, só para fechar a venda, eu queria terminar tudo e queria muito pegar aquele canalha na porrada, por hora continuei ouvindo:

– Nayara, eu vou fechar, mas vou falar a verdade, eu quero um último serviço seu, seu corpo é maravilhoso, de verdade, não vou conseguir me contentar com sua boca, vamos marcar aqui mesmo amanhã, às 15h00, se você me deixar fazer tudo, pode trazer toda a papelada que você sai daqui com a venda feita.

Filho da puta, chantagista maldito, eu só ficava pensando:Fala não Nayara, manda ele se foder! Mas não foi o que eu ouvi:

– Salles, eu estou cansada, muito cansada…, mas eu topo. Se fechar o contrato, eu faço tudo, deixo você fazer o que quiser comigo.

Meu mundo caiu… Ela topou, fiquei em casa maquinando, pensei em ligar para ela e acabar com toda aquela putaria, mas ao mesmo tempo eu queria pegar o cara de jeito, e talvez o jeito fosse armar uma emboscada, mas o problema é que eu não sabia onde seria o encontro, estava meio evidente que era na casa que ela estava vendendo, mas eu não sabia onde era a casa, liguei novamente para um amigo comum nosso e perguntei que casa a Nayara estava vendendo que custava quase quatro milhões, o meu amigo sabia e me passou até o endereço, eu disse que tinha um cliente que talvez se interessasse e que não estava conseguindo falar com a Na, ele me passou tudo, mas disse que a casa estava praticamente vendida (É…, eu sabia).

Nem consegui dormir a noite, no outro fui para a minha imobiliária e inventei uma visita perto das 15h00, fui até a casa e cheguei uns 10 minutos depois das 15h00, a casa era muito grande, realmente uma mansão em um condomínio fechado com pouca movimentação, eu entrei lá falando sobre a visitação ao imóvel, passei em frente à casa e o carro da minha namorada e o outro carro já estavam lá.

Parei um pouco distante para não dar bandeira e fui andando, fui chegando de mansinho para não chamar atenção, fui circundando o jardim e logo comecei a ouvir uma movimentação, fui até uma janela da cozinha, que dava para ver a copa onde tinha uma bancada americana, e nela estava minha namorada apoiando os cotovelos, meio inclinada, a bunda empinada e a saia erguida, ela estava com a calcinha de lado e o tal Dr. Salles estava com sua cara totalmente enterrada nela.

Minha noiva não demonstrava grandes reações, mas o cliente claramente motivado e chupava aquele rabo como se fosse o último rabo da sua vida.

Eu queria chegar arrebentando aquela porta e acabar com tudo, mas alguma coisa aconteceu naquele momento, eu estava excitado com aquela situação, confesso que tinha raiva de mim, não conseguia acreditar que eu não tinha feito nada, eu só queria ver até onde aquilo ia, eu estava dividido, uma parte queria quebrar o cara e tudo mais e uma outra parte, queria ver como aquilo terminaria.

Fiquei posicionado e de olho em tudo, Nayara continuava imóvel só recebendo aquela língua em todo seu rabo e o Doutor estava totalmente concentrado no que estava fazendo. Aquilo não demorou muito, logo ele puxou minha namorada até ele e começou um delicioso beijo de língua, ele explorava seu corpo com as mãos enquanto a beijava, e tudo era feito com muita calma e precisão, ele aproveitava cada segundo de tudo aquilo, só que ele queria mais, com muita agilidade ele ergueu a blusa da Nayara e retirou seu sutiã, agora seus lindos seios estavam soltos e o Dr. Salles não perdeu nenhum minuto, logo ele sugava gostoso aqueles melões maravilhosos, ele chupava sem dó, dava para ver a pele dos seios se tencionando, a sucção era tão forte que a Nayara reclamou:

– Ooouuu, vai devagar, tá doendo! Meu seio é sensível.

O Doutor olhou e não falou nada, continuou mamando com vontade, ele lambia, chupava, passava em toda sua cara e claro, sempre com as mãos bem posicionadas em sua bunda e em sua boceta, a coisa estava esquentando e em pouco tempo ele interrompeu a chupada e passou a querer uma chupada, ele forçava a Nayara para baixo e disse:

– Vai Nayara, faça valer essa venda, chupa gostoso.

Minha namorada olhou para ele, se ajoelhou, abriu o zíper de sua calça e colocou a jeba dele para fora, rapaz, fiquei assustado… Pelo áudio não tinha como saber que o cara tinha um pau de uns 20 cm e grosso, confesso que me senti mal com aquilo e continuei observando, Nayara pegou com familiaridade naquela rola e foi enfiando totalmente em sua boca e chupando com vontade, ela mamava querendo acabar logo com aquilo.

Chupava todo o pau, pegava e mamava nas bolas, no pau todo e em dado momento ela enfiava até ao talo na boca! Impossível ele não conseguir gozar com aquilo, mas ele não queria gozar naquele momento, ele segurou os cabelos da minha namorada e puxou ela pra cima, deu mais um beijo longo e colocou-a de quatro novamente:

– Aaaahhhh Nayara, agora eu quero provar de verdade essa bocetinha linda!

Disse isso e foi penetrando devagar, minha noiva pela primeira vez começava a gemer e pedia para ele ir com calma:

– Vai com cuidado, seu pau é muito grande, o do meu namorado é metade dele…

Putz! Falando sério, ela não precisava falar isso!…

– Relaxa Nayara, fica tranquila que ele vai caber, tenho certeza que você vai aguentar tudo.

Em pouco tempo a boceta dela engoliu todo aquele caralho, ela agora se movimentava e parecia estar começando a gostar de ser recheada por aquela pica enorme. O Dr. Salles puxou forte seu cabelo para trás e enfiava com força, ele foi aumentando a velocidade e em pouco tempo fodia sem dó, aquele bocetinha deliciosa… É, ele estava arrebentando minha namorada e eu vendo tudo resolvi botar meu pau pra fora e começar a me masturbar.

O homem devia ter tomado um Viagra ou algo do tipo, ele já estava bombando nela a mais tempo do que eu costumava a ficar, ele mordia sua nuca, beijava a Nayara, chupava seu braço e enfiava a rola! Em pouco tempo ele começou a urrar e gozar com tudo, pior, ele nem esboçou tirar o pau de dentro dela, quando a Nayara percebeu ela reclamou:

– Não Salles, dentro não… Eu não estou tomando anticoncepcional!

Ele nem ligou, só disse assim:

– Você disse que eu podia fazer tudo, eu quero gozar em você, só gozo dentro das mulheres que eu como.

Ela ficou quieta e ele completou o trabalho, continuou gozando até ao fim… Assim que terminou minha namorada já foi ajeitando sua calcinha, mas o Dr. não deixou, ele queria mais e voltou a chupar o seu rabo, ela voltou a se apoiar e em poucos minutos ele voltou a se posicionar e sua rola continuava dura, assim que ele foi encaixando a Nayara deu um grito:

– Nãããooo… Aí não!… Eu nunca dei o cu e não vou dar para você.

Dr. Salles ficou bem puto e foi falando:

– Você tá brincando? Nosso acordo é claro, você disse que eu poderia fazer de tudo! Se eu não comer esse cu pode apostar que o negócio será desfeito.

Nayara parou por uns segundos, e disse:

– Tá, ok, mas vá com calma, pois eu nunca dei o meu cuzinho…

– Fica tranquila, vou colocar com carinho, hehehehe.

Só deu para perceber ele se posicionando e alojando sua benga pouco a pouco no cu da minha namorada, ela não fazia cara de que estivesse à vontade, mas foi facilitando e abrindo a bunda para ele colocar tudo e, logo a rola toda estava colocada… Ele começou a estocar, e agora ele metia devagar e em pouco tempo metia com força, sem dó, novamente ele agarrava a Nayara, puxava o cabelo e penetrava o seu cu com força, ele beijava, mordia e metia. Literalmente, o cara fez de tudo com ela e, em alguns segundos, ele já se contorcia novamente dentro do cu da Nayara, enfim a seção de fodeção tinha terminado, fiquei acompanhando mais um tempo, eles se arrumaram e pude ver a Nayara pegando os papeis do contrato, nesse momento eu já tinha gozado também, me recompus e fui saindo de fininho para que ninguém notasse minha presença, peguei meu carro e fui embora.

À noite, encontrei minha namorada. Ela estava toda feliz e veio me contando a novidade, tinha fechado o negócio e ia ganhar uma grande comissão (eu vi bem o que ela ganhou), por mais puto que eu estava, fingi que não sabia de nada, fiquei feliz com a notícia e comemoramos a noite toda, trepei com a Nayara como nunca tinha trepado antes e vou falar a real, sempre que me lembro de tudo aquilo, ainda fico com mais tesão!…