Ela só tinha 9 anos e eu 17… mas o tesão falou mais alto !!



Click to Download this video!

Olá, hoje vou contar como comecei minha vida sexual, e de como aquele momento marcou minha vida.
Eu morava em uma cidade do interior de SP.
Eu tinha uma tia e madrinha que morava na capital. Ela era casada, e por conta de um acidente ficou viúva.
Eu tinha 17 anos e minha tia me convidou para terminar os estudos na capital.
O marido dela, tinha deixado alguns bens como apartamentos, lojas, uma academia e uma escola de natação.
Eu sempre quis fazer Educação física, e achei que seria uma boa oportunidade vir para SP.
Logo que cheguei percebi que minha tia estava perdida no meio de tantas coisas para cuidar. Ela me pediu para me dedicar na escola de natação, pois estava indo muito mal e se continuasse assim ela iria ter que fechar.
Assim eu fiz, me dediquei bastante e logo fui aprendendo as tarefas da escola.
Eu fazia de tudo um pouco.
Logo que entrei na faculdade de educação física, minha tia me deixou cuidando sozinho da escola. Como tinha nos fundos 2 pequenos cômodos, eu me mudei para lá. Montei uma pequena cozinha e o quatro.
Eu tinha total liberdade e o número de alunos aumentaram.
Um dia minha tia me ligou, e disse que a empregada dela tinha uma neta, e mandou esta senhora trazer a menina, pois daria o curso grátis para a menina.
A maioria de nossos alunos eram crianças, e eu já estava acostumado com elas, ajudava dentro e fora da água. Até no banho eu participava. Confesso que algumas vezes eu ficava de pau duro diante das pequenas bucetinhas.
No dia seguinte a empregada da minha tia chegou na escola, e junto dela a menina que faria aulas comigo.
Apresentei a escola, mostrei a piscina e vestiários. Logo iria começar uma aula e a menina já iria participar. Sua avó ficou de fora, apenas olhando.
Ocorreu tudo normal, e ao final eu levei os meninos para o banheiro masculino e as meninas para o feminino.
Abri os chuveiros e mandei eles irem tomando banho. Logo estavam todos sem sungas e sem os maiôs. Como sempre faziam. Tudo normal.
Ajudei os meninos primeiro, e alguns por serem pequenos eu secava e vestia. Deixei eles na recepção e fui ajudar as meninas. Algumas também tive que secar e vestir.
A netinha da senhora já estava nua e tomando banho, pedi para ela sair e desligar o chuveiro, dei a toalha e perguntei se ela precisava de ajuda. Ela disse que não e foi se secar e colocar a roupa. Achei a menina linda. Com apenas 9 anos já tinha um lindo corpo. Sem seios ou pelos… lisinha e gostosinha.
Logo todos estavam na recepção e as mães vieram buscar um a um.
Em 20 minutos quase todos já tinha ido.
Conversei com a senhora e a menina. Perguntei se ela tinha gostado da aula e quantos dias da semana iria querer vir.
A senhora disse que gostou de tudo, e a menina disse que queria vir todos os dias. Ela estava eufórica.
Combinamos horários e a senhora me agradeceu. Como minha tia mora perto, apenas 6 quadras, a menina viria sozinha. Ela estuda pela manhã e a tarde viria para a natação. As 18:30 a avó viria buscá-la.
No dia seguinte a menina estava lá.
Ela é linda e muito prestativa.
Durante a aula eu toquei seu corpo. Ajudando ela a aprender a nadar, eu aproveitava para passar a mão por todo corpo.
Terminada a aula, levei as crianças para os banheiros, e repeti a rotina de abrir os chuveiros, e colocá-los no banho.
Pedi para a Nathali (neta da empregada da minha tia) me ajudar.
Logo todos estavam prontos, de banho tomado, secos e vestidos.
As crianças começaram a ir embora. Ficamos apenas eu e a Nathali.
Olhei no relógio e ainda eram 17:10. A senhora só viria buscar a neta as 18:30.
Perguntei para a Nathali se ela queira voltar a nadar, pois ainda faltavam mais de 1 hora para sua avó chegar.
Ela sorriu e me disse… EU QUERO !!
Fomos para o vestiário e ela se trocou na minha frente.
Eu já estava de bermuda e camiseta, e ela me falou:
– Tio você não vai por a sunga
– Respondi: Sim vou me trocar também.
Fui para o vestiário masculino e peguei minha sunga e comecei a me trocar, como a porta fica sempre aberta, a Nathali entrou. Eu estava de pau duro. Ela olhou e logo virou com vergonha.
Coloquei a sunga e fomos para a água.
Brincamos bastante e eu elogiei ela. Disse que ela iria aprender tudo rápido e que ela era boazinha e linda.
Passei a mão em todo o corpo dela.
Saímos e ainda faltam uns 30 minutos para a avó vir pegá-la.
Fomos paro vestiário e falei para ela ir tomar banho.
Entrei com ela e liguei o chuveiro.
Quase morri quando ela foi tirando o maiô. Eu sempre via as bucetinhas… mas a dela era a mais linda que eu já tinha visto.
Peguei um sabonete e dei para ela.
Disse para ela ir tomando banho, que eu iria no outro vestiário tomar banho também, e saí.
Liguei o chuveiro e tirei minha sunga. Com meu pau muito duro, fechei os olhos lembrando da Nathali e tocando uma gostosa punheta.
Não notei quando ela entrou… apenas ouvi: “pega o sabonete”.
Abri o olho e me virei para ela…
Fiquei constrangido e não sabia o que fazer.
Ela ali me estendendo a mão e me dando o sabonete.
Ela ainda estava nua.
Peguei em sua mão e falei: Fique aqui comigo. Puxei ela para debaixo d’água.
Fiquei atrás dela, ainda sem encostar meu pau. Mas não agüentei muito tempo.
Lentamente fui encostando nela. Logo meu pau batia em suas costas.
Me inclinei e passei o sabonete, primeiro nos peitinhos, depois na barriguinha … sempre fazendo movimentos leves e com muito carinho. Passei na sua bucetinha, ahhh que tesão.
Fiz alguns movimentos, apertando seu pequeno clitóris.
Ela se virou e ficou de frente para meu pau.
Peguei sua mão e dei o sabonete para ver o que ela iria fazer. Ela entendeu o recado, e passou sabonete na minha barriga. Peguei sua mão e coloquei no meu pau.
Não trocamos nenhuma palavra, apenas toques e carinho.
Segurando sua mão, eu fiz movimentos e punheta. Logo tirei minha mão e ela continuou.
Meu tesão estava tão alto que logo gozei na sua mão.
Ela sentiu os jatos que caíam no seu corpinho e me perguntou o que era aquilo.
Respondi que era meu gozo, e depois iria explicar para ela o que era.
Ficamos mais alguns momentos no banho e logo ela quis ir no outro vestiário para se secar e colocar as roupas.
Em pouco tempo estávamos na recepção esperando a avó dela chegar.
Conversei com ela, e pedi para não contar nada para míngüem. Ela me disse que sabia que aquilo era errado, e que não contaria nada.
A avó dela chegou e perguntou como foi para a neta. A Nathali respondeu que foi tudo muito bom.
Eu ainda comentei a Nathali é boa menina e me ajudou com as outras crianças.
No dia seguinte eu mal podia esperar pela chegada da Nathali.
Quando ela chegou eu já estava com outras crianças no vestiário.
Como previsto ela veio sozinha e mandei ela colocar o maiô.
Fui ver ela se trocando…. linda !!
Peguei em sua mão e chamei as outras crianças para irem para a piscina.
A aula foi normal e logo estavam todos indo embora. A Nathali não tirou o maiô.
Quando a escola já estava fechada, olhei o relógio: 17:15… faltavam 1:15 para a avó da Nathali chegar.
Perguntei se ela queria outra aula: “Claro que quero, eu estava esperando isto”.
Como eu já tinha me trocado, eu fui para a borda da piscina e tirei a roupa. Entrei pelado.
Chamei ela e a ajudei entrar. Fomos para a parte funda, e fiquei bem abraçado com ela.
Coloquei meu pau no meio de suas pernas.
Lentamente fui tirando seu pequeno maiô. Ela me ajudou.
Fiquei passando meu pau na sua grutinha, sentindo seu calor.
Ela me abraçou.. pedi um beijo, mas ela virou o rosto.
Insisti e falei que eu amo ela. Segurei sua cabeça e dei um selinho.
Lentamente fui dando vários beijinhos no rosto, testa, nariz e boca. Ela foi se entregando, e abrindo a boca. Nossas línguas se tocavam e eu sugava o Maximo que podia.
Que tesão.
Sem eu pedir, ela segurou meu pau e começou a punhetar.
Eu alisava seu cuzinho e sua bucetinha.
Chamei ela para sair.
Levei para o vestiário feminino.
Liguei o chuveiro e ensaboei ela inteira.
Fiz carinhos em todo pequeno corpo.
Tirei a espuma e a beijei. Fui descendo, lambendo todo o seu corpinho delicioso.
Cheguei na bucetinha, suguei forte… metia a língua e fazia movimentos circulares e de entra e saí.
Ela segurava minha cabeça e parecia gostar.
Pedi para ela chupar meu pau, e ela disse que tinha nojo. Pedi então para só dar um beijinho. Ela fez, se abaixou e beijou a cabeça do meu pau. Ela ficou punhetando e eu ali, maravilhado com aquela cena.
Gozei quase na sua carinha, ela desviou rápido, e o gozo espirou no seu pescoço, peitos e barriga.
Terminamos o banho e ficamos na recepção esperando a avó dela vir pegá-la.
Conversamos um pouco, e pedi ela em namoro, mas isto teria que ser um grande segredo.
Ela aceitou.
No dia seguinte era um sábado e ela não veio.
Fiquei triste e preocupado, mas na segunda feira ela apareceu… linda como sempre !!
Depois conto como tirei o cabacinho dela.