Comecei a dar aos 5 anos



Click to Download this video!

ola, me chamo alex, vou relatar uma história veridica que aconteceu comigo na infancia, hoje eu tenho 62 anos, sou casado,pai e avô.
eu tinha mais ou menos uns 5 anos, era um garotinho bonito e com uma linda bundinha, minha mãe é quem falava que minha bunda era bunda de menina, moravamos no interior e eu tinha só uma irmã, nessa época ela devia ter uns 3 anos.
eu estudava na parte da tarde, num colégio publico e todos os dias eu passava na frente de uma garagem de onibus, quando ia e quando voltava da escola, nessa garagem tinha um homem que devia ter uns 35 anos e sempre que eu ia para a escola ele me dava balas, estava sempre sentado num banquinho, so de caução e seu piru estava sempre para fora, eu inocente ficava olhando e ia para a escola, nem pensava no assunto porque eu era criança e ainda não sabia nada de sexo, na volta da escola, la estava ele novamente sentado no banquinho, da mesma forma, de calção e com o piru para fora, me dava balas e ficava conversando comigo enquanto ficava olhando o piruzão dele.
um dia, na volta da escola ele estava la me esperando e quando eu cheguei ele me deu novamente balas e perguntou se eu não queria brincar de aprender a dirigir no onibus que estava dentro da garagem, eu mais que depressa falei que queria sim, ele me pegou pelo braço, mandou eu entrar na garagem e fechou o portão, quando chegamos na porta do onibus ele me falou que para brincar de dirigir eu ia ter que tirar meu chortinho e sentar no colo dele, eu mais que depressa, cheio de vontade de brincar, tirei logo meu chorte e fiquei com minha bundinha virada para ele, ai ele me agarrou por tras, ficou esfregando o pauzão dele na minha bunda, entrou no onibus comigo no colo, sentou no banco do motorista e me colocou no colo dele e mandou eu brincar no volante, como eu ainda era muito pequeno, mesmo no colo dele eu não conseguia enchergar na frente do onibus e entao ele mandava eu colocar os pes no banco e ficar agachado para enchergar a frente do onibus, sempre que eu fazia isso, ele me pegava pela cintura e ficava brincando com o piru dele na minha bunda e tentava sempre enfiar a cabeça, não conseguia porque era grandão e muito grosso, mas nessas tentativas ele sempre gozava na minha bunda e depois de gozar com a minha bunda toda melada ele ia tentando enfiar e um dia ele conseguiu enfiar a metade da cabeça e eu senti muita dor e chorei, ele vendo que eu não ia aguentar parou de empurrar e ficou com a metade da cabeça na portinha me segurando para eu não sair e novamente gozou muito, nesse dia quando cheguei em casa meu cuzinho estava dolorido mas estava piscando muitofui tomar banho e me lavar, me deitei na sala com minha irmanzinha e ficamos brincando
no dia seguinte quando fui para a escola ele estava me esperando e quando eu cheguei ele me deu balas e perguntou se eu havia gostado, balancei a cabeça que sim e que queria brincar novamente hoje, ele então, como ainda era cedo, me pegou pelo braço fechou o portão e entramos no onibus, ai ele me falou que como estava quase na hora de ele chegar na escola, que era para eu ficar brincando com o piruzão dele que ja estava durão, colocou ele para fora e mandou eu segurar e ficar alizando, começou a sair um creme na ponta do piru dele e eu perguntei o que era aquilo e ele me falou que era vitamina que todo homem tinha e que sempre a mulher dele ficava mamando e tirava tudo, ai eu perguntei se eu podia lamber tambem e ele falou que sim, minha boca, apesar de eu ser crinça ja era bem grandinha e comecei a lamber e ele foi tentando enfiar na minha bora a cabeçon a dele ate que conseguiu e entrou toda a cabeça e eu continuei chupando e derrepente ele começou a gozar, gozou muito e mandou eu engolirporque era vitamina e eu ia ficar mais inteligente na escola, mas que não era para eu falar nada para ninguem e nem para minha mãe, quando ele terminou de gozar, limpou minha boca, viu se nao tinha caido em meu corpo e mandou e me vestir e ir para a escola, falou que ia me esperar na volta e eu gostei porque ja estava gostando de tudo que estava acontecendo mesmo não sentindo nenhum prazer…
conto o resto depois.