Castigo do noivo dominador



Click to Download this video!

Olá meu nome é Lola (nome fictício) fiz 17 anos, sou magra 56 kg, 1,55 de altura, rosto angelical, boca rosa, branca, cabelos curtos e castanhos, olhos castanhos, bundinha redonda e durinha e seios médios e muito duros. Sou noiva do Marcus (nome fictício) um homem grande 1,83 de altura, 42 anos, machista e controlador, o corpo sarado de quem é segundo dan em rapkido e passou a vida malhando muito e surfando bastante, ele é recém separado e tem um filho um ano mais novo que eu. É muito gostoso e já foi um dos meus chefes em uma empresa que trabalhei e por um ano e meio, o conheci quando tinha 16 anos e sempre fui louca para dar a bucetinha a aquele homem. Tinha sonhos eróticos com ele até que conseguir chamar sua atenção, o que eu não esperava era que iríamos nos apaixonar antes mesmo de transar e já começamos a namorar. Eu o amo muito e contei todas as minhas loucuras as quais me arrependia muito, até o fato de eu já servido muitos homens e dado minha virgindade com 13 anos. Mesmo assim hoje somos noivos e nos amamos muito, sou obediente mas as vezes gosto de provocar. Então vamos ao conto: no dia 23 fazemos mais um mês de “namoro” e sempre fazemos amor para comemorar, mãe um dia 23 chegou e fomos para um motel como de costume chegando lá ele me deu um beijo quente e delicioso. Tirou minha roupa, tirou sua calça e me mandou ajoelhar e chupar seu cacete gostoso, como uma boa menina chupei até ele me mandar parar, lambia os ovos e chupada o palzão que me melava toda enquanto ele pegava meu cabelo, me dava tapas fortes no rosto e na bunda e quando eu gemia ele mandava eu calar a boca e chupar minha vara até ele mandar parar, socava na minha boca até dar ânsia e falava chupa cachorra eu não mandei parar, chupa vai! Essa altura ele já estava batendo a rola na minha cara e metendendo os dedos na minha xaninha apertada, meu mel escorria e ele falava quer cacete né cachorra? Quer a piroca do seu macho né? Deita ai e abre as pernas que vou te comer. Obedeci, deitei e abrir bem as pernas, ele caiu de boca. Chupava como nunca tinha sido chupada antes, eu me contorcia e gemia alto e a cada gemido ele dava um tapinha na minha Xana em sinal de reprovação. Ele chupou muito e bebeu meu liquido, mordeu minha bucetinha de leve e antes que eu pudesse gritar levantou minha perna e meteu aquele cacete grande eu gritei e levei outro tapa na cara, ele dizia não era isso que você queria? Não é bom me ligar no trabalho e me deixar excitado? Você não estava igual uma vagabunda pedindo rola? Seu homem te dar! Agora seja boazinha e aguente, as estocadas eram cada vez mais rápidas e fortes e eu gritava de dór e prazer, ele adorava e metia o dedo no meu cu para eu sentir mais dór. Depois levantou e me mandou ficar de quatro e empinar a bunda para meu macho, eu fiquei e empinei bastante… Ao invés de me penetrar, ele bateu e bateu muito, eu gritava, gemia e chorava ele falava que isso era o que menina malcriada ganhava, que isso era o que eu merecia por respondê-lo sempre. Eu sábia que se me movesse o castigo seria pior, então aguentei já que realmente estava errada em desobedecer. Quando ele acabou de me bater com minha bunda já vermelha, mordeu e eu gritei mais, como ele sabiá que não estava aguentando a dór masturbava minha xaninha para aguentar mais. Quando a tortura acabou e eu já não aguentava sentar ele me colocou de quatro novamente, olhando para o espelho e começou as bombadas na minha sucata já fudida e arrombada por ele, cada estocada era uma dór insuportável e um prazer enorme e eu aguentava. Cada vez pior, ele metia e falava aguenta vadia, aguenta sua piroca vai. Tá chorando? Olha sua carinha de dór no espelho! Se abaixar eu fodo seu cu a seco até ficar lascado. Eu gemia alto, o gemido e o choro deixava ele maluco e eu falando para amor eu não aguento, para ta doendo. Parar cachorra? Menina desobediente leva rola tá ouvindo? Eu nem gozei ainda que chora? chore! Quer gritar? Grite! Mas vai aguentar até quando eu quiser e se gozar já sabe como esse cu vai ficar né? Eu segurei, segurei mas acabei gozando naquele palzão gostoso e meu. Já senti o dedo dele entrando com tudo no meu cuzinho mas dessa vez só foi para dilatar mesmo, meteu aquele cacete gostoso ouviu meu último grito, deu duas estocadas respirando rapidamente, pegou meu cabelo puxou meteu todinho e me deu um jato quente de porra no cuzinho. Deitei ao seu lado e ganhei muito carinho, chocolate, beijos e ele me disse o quanto me amava e o quanto eu sou perfeita para ele. Nesse dia como de costume eu estava ainda mais apaixonada pelo meu macho gostoso.