Sophia minha sobrinha



Click to Download this video!

Usurei nomes fictícios, pois se bem conheço meu irmão, ele deve andar nesses sites pornôs todos, desde contos a vídeos e alterai alguns fatos.

Sou Flavio e estou comendo minha sobrinha de 11 anos. Sei que difícil acreditar, mas menina nessa idade agüenta uma rola inteira dentro da xoxota. Tenho 30 anos, meu irmão é bem mais velho do que eu. Ele se casou e teve uma bela filha chamada Sophia. Uma linda garotinha que hoje tem 11 anos. Sophia sempre foi muito tímida, não puxou nem o pai nem a mãe, que eram dois doideiras quando novos. Nas festas ela sempre ficava escondida, quase não fala com ninguém, só falava com os conhecidos e familiares, porém muito pouco. Ela tem um corpo bem desenvolvido para as meninas da sua idade. Com 11 anos ela já tem seios grandinhos, pernas grossas, mas sem muita bunda e sua xoxota bem carnuda. Acho que puxou o lado da família da mãe dela, que só tem mulher gostosa.

Meu irmão se amarrar em fazer umas bagunças na casa dele. Em uma dessas festas percebi Sophia mais quieta do que o normal. Todos já estavam chapados, menos eu que não bebo. O papo estava chato do lado de fora, decidir entrar. Ela estava sentada no sofá mexendo no celular, com uma carinha triste. Sentei no outro que ficava de frente e disse:
– Sophia está tudo bem? – com um sorriso na voz
– Tudo tio!
– Não parece! Fala pro tio! Uma garota tão linda, não pode ficar com esse rostinho triste.
Sophia para minha surpresa diz:
– Você me acha linda mesmo tio?
Nessa hora levei até um susto, sem saber o que responder. Não esperava essa perguntar.
– Sim! Tio acha você linda!
Ela abre um sorriso tímido.
– Alguém falou que você não é?
– Não tio! É por que nunca ninguém falou isso pra mim!
Sophia estava vestida com um short de ficar em casa meio folgado e uma blusa de alcinha meio decotada. Eu olho fixamente pra ela e digo:
– Ah se o tio fosse da sua idade….
Eu estava um tempinho sem pegar mulher. Nunca pensei em fazer nada com ela, mas estava surgindo uma oportunidade, afinal ela é uma gatinha.
Pergunto se ela já havia ficado com alguém. Sophia responde que não, tinha medo de beijar na boca, por que não sabia. Digo a ela que estava na idade de aprender essas coisas, que estudar é importante, porém viver a vida também era. O papo vai ficando leve, aos poucos aquela tímida garotinha vai ficando mais solta, mas nada demais apenas mais falante. Começo a imaginar aqueles peitos em minha boca. Eu olhava fixamente para eles enquanto conversávamos. Sophia percebe meus olhares e diz:
– Tio por que você olha tanto para os meus peitos?
Nessa hora sua mãe entra na sala, sorridente, meio chapada, perguntando se estava tudo bem com ela. Na hora travei com medo, pois se Sophia falasse alguma coisa do que conversamos ia ficar ruim pro meu lado. Ela fala pra mãe que estava tudo bem, e que se quisesse alguma coisa ela mesmo pegava.
A mulher do meu irmão vai embora, dando um beijo no rosto de Sophia, que sorrir para a mãe gentilmente.
Assim que ela sai e digo:
– Você que saber mesmo por que olho tanto para os seus seios?
Ela balança a cabeça de forma positiva. Pensei a melhor forma de dizer que queria vê-los sem ser tarado.
– Bem Sophia! Tio gosta muito de seios, e os seus parecem ser lindos. – ela arregala os olhos enquanto falo – Eu gostaria muito de poder vê-los!
Meu pau estourava dentro do short. Sophia fica calada pensativa.
– Então Sophia, mostrar um pouquinho pro tio, será nosso segredo!
Minha sobrinha diz:
– Tio o senhor não conta pra ninguém mesmo?
– Palavra de escoteiro! – falo isso cruzando os dedos e beijando
Não acredito no que estou vendo. Minha sobrinha de 11 anos puxando as alças da camisa pro lado de descendo devagar. Sophia para quando seus biquinhos iam aparecer, olho pros lados e abaixa de uma só vez. Que coisa linda! Formosos e com biquinhos cor de rosa. Fico olhando por um bom tempo, até ela voltar a guardá-los. Assim que ela se arrumou, eu digo:
– Sophia, vamos para outro lugar?! Tio quer poder ver melhor e aqui alguém pode chegar.
– Mas em que lugar tio?
Proponho de irmos para o quarto de empregada. Sophia topa! Ele se levanta e vai à frente eu vou logo atrás. Assim que entramos peço pra ela tirar toda a blusa. Fico sentado na beira da cama. Sophia tira a blusa. Peço a ela ficar bem perto de mim. Ela chega bem próxima, eu a puxo pela cintura, seus seios ficam perto da minha boca. Dou um selinho em cada um, mamando logo em seguida. Chupo seus peitos suavemente, com muito tesão. Sophia fica sem saber o que fazer. Minhas mãos vão passando por toda e extensão de suas costas, trazendo seu corpo para mais perto de mim. Eu paro de mamar lhe dou um beijo na boca. Ela não sabia beijar, bate de dentes nos meus. Ela fica sem graça pelo beijo. Passo a mão em seu rostinho e digo:
– Sophia, você é a garota mais linda que já fiquei!
Ela acha graça. Tenta colocar a blusa, mas eu a interrompo:
– Agora deixo o tio ver você sem roupa?
Ela não fala nada! Fica parada com a blusa na mão. Eu coloco minhas mãos no seu short descendo devagar. Sua calcinha começa a parecer. Sua rachinha fica a mostrar. A calcinha ficava marcando sua xoxotinha. Desço seu short até o chão. Que coisa linda! Passo os dedos por cima da calcinha devagar na xoxotinha. Minha sobrinha apenas fica olhando. Puxo sua calcinha de lado, fico de joelhos no chão e caio de boca, sugando sua xoxotinha gostosa. Seus lábios carnudos vão cada vez mais entrando em minha boca. Sophia tenta fala que está com medo pedindo para eu parar. Não dou ouvido as suas fala! Ela para de falar ficando quieta. Eu fico em pé. Olho seu corpo de ninfeta nu. Abaixo minha bermuda tiro meu pau pra fora. E digo:
– Sophia deixa o tio colocar ele nela?
– Tio isso vai doer! Não posso! Sou criança ainda!
– Doe só no começo, depois para!
Ela fica sem jeito de dizer não e concorda!
Eu a deito na cama. Sua xoxotinha estava bem babada. Fico por cima dela. Ela ameaça a chorar. Digo para ela ficar calma que logo ela iria querer mais e mais. Pincelo meu pau na entrada. Seus lábios vão escondendo a cabeça do meu pau. Sua xoxotinha vai engolindo meu pau. Como é apertado. Sophia vai ficando relaxada, mesmo com uma expressão de dor em seu rostinho. A cabeça do meu pau entrada. Ela dá um suspiro alto, quase um grito de dor. A xoxotinha virgem de Sophia estava sendo deflorada aos poucos. Vou enfiando meu pau centímetro a centímetro. Quando meu pau chega a metade, pergunto se estava tudo bem com ela. Sophia balança a cabeça de forma positiva. Começo o vai e vem bem devagar. Aos poucos meu pau vai entrando todo. Pegos as mãos de Sophia e as colocas em seus seios. Baixando minha cabeça para mamá-los. Enquanto vou comendo sua xoxotinha, que já estava com mau pau todo dentro. O sexo era silencioso, apenas se escutava nossas respirações. Sophia gemia ofegante… eu gozo dentro.. tiro bem devagar de sua xoxotinha. Sophia reclama de dor. Tento deixá-la calma. Pego minha camisa e a limpo. Deu uns beijos em sua boca. Pergunto se ela havia gostado. Ele diz que sim! Colocamos a roupa e somos embora. No dia seguinte ele agiu normalmente e comi sua bucetinha novamente.