Eu e Minha Priminha Sozinhos



Click to Download this video!

Venho aqui desabafar, tenho 17 anos e fiz uma coisa que estou me arrependendo amargamente, peço ajuda nos comentários porque estou com um peso colossal na consciência pelo que fiz com minha prima de 8 anos, ela gostou, mas eu não consegui gostar porque me parece muito errado o que eu induzi ela a fazer…se quiser pular para o ato, procure o asterísco.
Estava eu, entediado em casa, então resolvi passar o fim de semana na casa dos meus tios, chegando lá, meu tio veio falar feliz comigo:
-Pedro!! Ainda bem que você veio! Nós vamos hoje (sexta) resolver uns assuntos do super-mercado e não tínhamos com quem deixar a Flaviana.
-Nossa, ainda bem que vim! Sorte de vocês!
-Sim! Tem um detalhe…
-Diga, tio.
-Nós vamos voltar só pela manhã de domingo – fiquei eufórico, mas me controlei e soltei uma piadinha – tudo bem pra você?
-Tudo, só diga pra ela se comportar! Hahahaha…
-Hahaha, digo, digo…Flávia!!! – desce do segundo andar, minha priminha, 8 anos, morena com os cabelos ondulados e bagunçados, na altura dos ombros, nem curtos nem compridos; gordinha, apenas o bastante para deixar sua bundinha perfeita e seu, como ela chama, pepeca estufadinha e marca nas calças legging que ela usa, os peitinhos começaram a se formar.
Meu tio conversou com ela, deu as recomendações e as rotinas do fim de semana, chegada a hora, meus tios saíram de mala e cuia para a cidade, no outro dia, no sábado, eu e a Flávia, fomos ver desenho no notebook, ela gosta de ver Fan Fics, o que, depois de dois episódios, ela colocou uma Fan Fic sexual de My Little Pony, eu percebi, mas ela não por não falar inglês; eu deixei rolar, então quando um pônei começou a despir o outro, ela entrou em desespero e quiz tirar, eu segurei a mãozinha dela e disse que tudo bem, que não ia contar pra minha tia, o clima depois disso foi divertido, ela viu aquela cena vidrada e ficava dando umas olhadas tímidas pra mim.
A Flávia me adora, muito mesmo, por isso nunca arrisquei nada demais com ela, porque quando eu abraço e beijo ela com um pouco mais de carinho, ela já se gaba para as amiguinhas dela, imagina fazer o que a gente fez…
Eu puz, de propósito, uma bermuda com um número a mais pra acidentalmente deixa-la cair, eu tirei a blusa, ela já começou a me olhar, então fui fechar as janelas devido a uma chuva, quando levantava os braços, deixava aparecer meus “pentelhos” não muito grandes, ela olhando, quando fui fechar a segunda janela, deixei a bermuda cair deixando meu pau amostra, duro só com a situação, ela riu mas não desviou a vista e ainda disse baixinho:
-Tua piroca é diferente da do meu pai… – achei que ela ia dizer que era menor.
-Como assim?
-Ela é levantada, é engraçado, por quê?
-É porque eu quero fazer xixi…
-Então vai ué – Eu desci as escadas e ela veio junto por medo de ficar sozinha em um andar, ela ficou na porta me esperando, eu deixei a porta aberta, então eu abaixei totalmente a bermuda e mijei com o pau amostra, quando eu acabei ela disse – Ainda tá levantado!
-Me ajuda a achar outro calção – desconversei por medo…achei que já tinha ido longe demais
-Tá bem, tá no armário do pai e da mãe – nós subimos e eu tirei logo a bermuda ficando pelado:
-Tu já viu, então tudo bem, é só não contar à sua mãe que tu viu, certo?
-Tá!
-Promete?
-Prometo! – ela disse isso e sentou na cama e ficou me olhando trocar de roupa pelado, então do nada, ela deitou e ficou passando o pé na minha bunda!! Eu fingi que não senti, então quando ela deu um “pontapezinho” eu virei pra ela de pau duro e disse:
-Flávia!!
-Que foi Pedro?
-O que tu tá fazendo?
-É porque tua bunda é bonita, e tua piroca é levantada…
-E…?
-É que eu…sei lá…
-Pode dizer, Flávia…
-Eu gostei, hihi…

***Então eu sentei pelado do lado dela na cama e ela sentou também e disse:
-Minha piroca tá levantada, porque eu tenho que…gozar…
-Gozar? – ver ela dizer isso me excitou muito!
-Sim, é quando você mexe muito na sua piroca ou pepeca e depois relaxa e fica feliz! Quer tentar também?
-Tu não consegue fazer sozinho não?
-Consigo, mas com ajuda fica bem melhor…
-Tá booom, como eu faço pra gozar, Pedro?
-Primeiro faz que nem eu, fica nua.
-Nua? Sem nada?
-É Flávia, tu num quer gozar?
-Tááá… – ela se levantou e começou a tirar o vestido por baixo, depois, ela tirou toda a calcinha e sentou pulando na cama; ela era muito linda, bucetinha perfeita, o formato parecia a curva de um grampo de cabelo, bem estufadinha, sem pelos, linda, rosadinha e cheirando a morango, pefeita! Enfim, eu continuei:
-Tu pode usar tua pepeca ou teu bumbum, qual tu prefere?
-A…pepeca… – ela estava muito envergonhada!
-Bom, então deita aqui – ela deitou nos tavesseiros e abriu as pernas como mandei, então eu continuei – agora eu vou ficar beijando a tua pepeca, tá? – mordendo o lábio inferior com uma espressão de curiosidade, ela acenou, quando cheguei perto, só melhorou, quando dei a primeira lambida de baixo pra cima, ela se contorceu toda! Continuei com esse movimento, ela gemia alto:
-Aaaaiinn…aaaah! Aaaaiiiinn!!!
Eu estava indo à loucura, deitado de bruços com a cara e a boca na buceta da minha prima de oito anos!! Naquele momento, eu esqueci do mundo, era só eu e ela…fiquei lambendo de baixo pra cima, em volta, mexendo no clitóris com a língua…segurava tipo abraçando as coxas dela, poderia ficar décadas aqui dizendo como foi maravilhoso, depois eu dei uma bolinada com o nariz e disse olhando pra ela com o queixo apoiado na pepequinha dela:
-Eaí, Flávia?
-Ui, eu adorei, Pedro!
-Caaalma, tu ainda nem gozou!
-Ainda não?! – ela pulou e ficou de joelhos sorrindo mordendo o lábio inferior, animada com tudo aquilo, então eu fiquei na mesma posição dela e disse:
-Agora faz em mim, é só abocanhar minha piroca, chupar como um consolo e ficar botando e tirando da boca! – ela fez, abocanhou a cabeça, e ficou chupando deliciosamente bem, parecia uma profissional, eu peguei nas orelhinas dela e disse – vou te ajudar, devagar, viu? – com meu pau na boca ela acenou, eu peguei nas lateirais da cabeça dela, um pouquinho mais forte e fui baixando e subindo, baixando e subindo…ela já engolia cinco ou seis centímetros sem problema, até que eu disse – Agora eu vou relaxar, mas não vou gozar também, pode continuar assim, tá perfeito, Flávia! – ela fazia deliciosamente bem como já disse, mas com as instruções que dei, ficou perfeito, aproveitei bons segundos, depois de um tempo, eu disse pra ela tirar a boca, ela tirou, toooda babada, olhando fixamente pro meu pau e com o ele na mão esquerda e se limpava com a mão direita, hahaha, ela passou a mão direita pelo corpo até chegar na bucetinha linda dela, toda chupada, e começou a fazer uns carinhos, então quando eu vi ela aumentando a velocidade eu disse – iiisso…continua…mais forte…mais forte…aham… – ela foi, foi, foi, quando vi ela gozou, tirou a mãozinha do meu pau, pegou forte na bucentinha dela e praticamente bateu a cabeça dela na minha virilha, do lado direito do meu pau, se contorcendo e apertando a pepequinha linda dela, ela gemeu bem gostoso nessa hora:
-Hum…hum…hump…ahhh…aaaahh… – depois disso, ela passou um tempinho com a cara na minha virilha, ela levantou e riu – Humhumhumhahahahaha…adorei Pedro!!
-Agora é a sua vez de me fazer gozar, será que tu consegue?
-Como faz?
-É só fazer com a boca de novo, quando eu gozar, vai sair um leite salgado do meu pau…tu pode fazer o que quizer com ele, cuspir em tu, cuspir em mim, cuspir na mão ou até engolir!
-Tá bom! – ela disse isso e logo abocanhou meu pau e segurou com as duas mãozinhas e começou de novo o boquete maravilhoso que ela faz, ela as vezes tirava da boca e mexia nas minhas bolas também, lambia elas…enfim, depois de mais ou menos um minuto, eu gozei igual um cavalo na boquinha dela, ela deu um supapo de susto mas não parou o boquete, o que me fez gritar de prazer, então depois de um orgasmo de dez segundos, eu disse que ela podia parar, ela deixou escorrer pelo meu pau um pouco de porra, mas a maioria ficou na boca dela, ela deitou de barriga pra cima, cuspiu a porra toda no corpo e ficou passando no corpo de olho fechado, mexia na pepequinha, esfregava ela no corpinho todo, parecia um sabonete líquido…eu via essa cena safada, linda e delicada batendo punheta, até que eu disse:
-Aí vai outro jato, Flávia! – gozei no corpo dela, ela riu, disse que era quentinho e continuou aquela brincadeira com minha porra, eu estava hipnotizado…ela se sentou e ficou olhando de pertinho a pepequinha dela e mexia com os dedos, foi lindo.
Depois disso, tomamos banho e dormimos juntinhos e pelados, mas não repetimos a dose na tarde de domingo porque os pais dela estavam pra chegar, agora, ela não conta pra ninguém porque eu disse que se ela quizesse fazer de novo, teria que guardar segredo.
Bom, foi isso que eu fiz com minha prima, a história é verídica e aconteceu no dia 17, agora me digam nos comentários o que acharam e digam se agi errado.