Meu Pai Me Fez Corno Familiar-Parte I



Click to Download this video!

…Até então,éramos uma família dita normal nos padrões comuns da sociedade.Somos uma casal de 35/30 anos,mas o fato do conto acontece desde o anos que casamos, 2008;portanto fazem 8 anos.Me chamo Rodrigo e minha esposa Ana,e toda nossa família é do Nordeste.Sou filho único de uma família bem sucedida;meu pai ( Flávio),advogado aposentado,hoje com 58 anos e vive pra se cuidar com caminhadas e academia;minha mãe (Enaura),aposentada também e vive pra cuidar de jardins,seu hobby atual, e a cuidar dos empregados e nada mais;não gosta de viagens pra não se ausentar da casa.
Meu relato começa dois meses depois de nosso casamento;quando ainda estávamos em lua-de-mel,o meu sogro faleceu subitamente com um infarte fulminante enquanto dirigia seu carro. Ana,minha esposa, era muito apegada ao pai e caiu numa depressão profunda e lá se foi minha lua-de-mel.Meus pais tentaram dar força,mas nada adiantava.Foi quando minha mãe deu uma ideia pra que levássemos Ana pra uma viagem a algum lugar que ela não conhecia e que não esperasse resposta dela,que eu arrumasse tudo e a levasse.Foi o que fiz,através de uma agência de turismo,providenciei tudo;chegando em casa,dei a notícia a Ana e ela aceitou mas não muito contente;e minha mãe me chamou pra conversar e me pediu que eu falasse com meu pai e sugerisse que ele fosse também.Falei com ele e ele aceitou na hora e providenciei tudo pra ele também.Ana estava melhorando e revelei que iríamos a Paris,França.Ela me deu uma abraço e me cobriu de beijos. Partimos no dia marcado,eu,Ana e meu pai.Ficamos no centro de Paris em um belo hotel e ficamos em um quarto conjugado com uma porta em comum aos dois quartos.Nos primeiros dias,tudo normal e foi ficando igual,compras,passeios e Ana foi ficando triste de novo.Eu e meu pai ficamos preocupados,até que meu pai me perguntou em um papo entre homens,se eu estava cumprindo meu papel de homem casado,e falei que naquela situação Ana não queria nada de sexo;tomava uns remédios e dormia.Meu pai falou que ia resolver.
No outro dia,pela manhã meu pai entra em nosso quarto com um panfleto de propaganda de um complexo turístico no sul da França,onde tinha festas temáticas e que Ana iria se animar.Liguei pro número do resort,fiz as reservas e partimos pro sul da França.Quando chegamos vimos que estávamos em Cap d’Agde.Foi um impacto,quando ao entrar no hotel do resort vimos umas pessoas nuas e algumas com pouca roupa,mas confirmamos nossas reservas e nos alojamos.Ana comentou comigo o que tínhamos visto e meu pai chegou nos informando que estávamos numa área da França que se praticava o nudismo,mas que não éramos obrigado.Como já era noite,dormimos e pela manhã,meu pai sugeriu que fôssemos à praia pra Ana se distrair e tomar um pouco de sol.Partimos para as dunas onde localizava a praia.Quando chegamos na entrada das dunas,vimos todas as pessoas peladas e sugeri que ficássemos nus também já que estávamos ali;de início Ana se negou,mas falei pra ela se libertar da tristeza e seria bom se banhar nua pra melhorar sua tristeza;ela se mostrou envergonhada pela presença do seu sogro,mas meu pai falou que não ia olhar pra ela;meu pai tirou a roupa e seguiu pelado na frente,Ana deu uma olhada e iniciou tirando o bikine,ficando totalmente pelada,depois tirei minha sunga e seguimos pelados,com meu pai já um pouco distante de nós entrando no mar pra se banhar.Ana ainda com um pouco de receio,sentou na beira-mar sobre a toalha e sentei ao seu lado e a abracei e dei um beijo em sua boca;quando vimos meu pai saindo de dentro da água,todo molhado e pelado,quando notei que Ana deu uma rápida olhada no pênis do sogro,mas meu pai não viu e sentou ao meu lado sem olhar a nudez de Ana.Sugeri que tomássemos uma cerveja,e dividi uma com Ana e meu pai tomou uma sozinho.Ana quis entrar no mar e a levei,tomamos um bom banho e voltamos pra areia.Passei protetor solar nela e meu pai foi pra dentro do mar;falei pra Ana que ia comprar mais cervejas e ela falou que queria voltar pro mar e chamei meu pai pra pegar Ana que ela queria se banhar,e fui comprar as cervas.Ainda olhei pra traz e vi Ana entrando no mar com a ajuda de meu pai.Quando retornei com as cervejas,vi Ana tomando banho mas um pouco distante de meu pai,até que fui próximo ao mar e avisei a meu pai que não deixasse Ana solta porque ela ainda não estava bem(não sei se fiz bem agindo assim).Meu pai se aproximou de Ana e pegou sua mão e a puxou para próximo a si;fiquei só olhando e tomando minha cerva;as vezes as ondas batiam e os aproximava mais e teve um momeno em que vi ela com uma mão segurando no braço dele;depois ele a ensinando a boiar,ele segurando nas costas dela e ela horizontalmente deitada;e me perguntei onde estaria as mãos dele? Nas coxas ou na buda de Ana?Aquilo me deixou intrigado,mas o dia seguiu normal.Nos enxugamos e voltamos pro resort.Ana colocou apenas uma canga,deixando os seios soltos;nós dois vestimos as sungas.Chegando no quarto,Ana me agradeceu pela viagem e me perguntou se poderia permanecer nua no resort como as outras pessoas e consenti;ela tomou um banho e permaneceu nua e cheirosa;foi quando meu pai entrou em nosso quarto vendo aquela cena de Ana nua e falei que ela iria almoçar nua como as pessoas do resort.Meu pai,falou então vamos todos pelados e tirou a bermuda e camiseta,ficando totalmente pelado; e fiz o mesmo.Descemos para o restaurante,almoçamos normalmente e tinha umas pessoas dançando no centro do restaurante e Ana me pediu pra dançar e não quis e meu pai aceitou e foi dançar com ela;no início separado,depois ela a abraçou e dançaram abraçados,prestei atenção se meu pai se excitou,mas não.Quando nosso almoço chegou,eles voltaram pra mesa e comemos um delicioso almoço.Voltamos pro quarto,mas meu pai permaneceu no barzinho do restaurante.Eu e Ana fomos deitar um pouco e a notei um tanto excitada e fodemos como nunca tínhamos fodido;até deixou eu chupar seu cuzinho rosado e virgem;depois dessa foda adormeci e quando acordei,Ana não estava na cama,nem em lugar nenhum do quarto.Desci pro restaurante e vi uma cena que me deixou assustado: Ana estava sentada no colo do meu pai!Fiquei intrigado e me aproximei,até que ela se levantou e veio sentar no meu colo dizendo que estava no colo do meu pai porque tinha umas mulheres olhando pra ele e ela não queria que seu sogro traisse a minha mãe,por isso foi sentar no colo dele.Fui no balcão do bar e vi na volta olhei rápido e vi que o pau do meu pai estava meio-bomba;ele tinha se excitado com Ana em seu colo.Voltamos pro quarto e Ana me questionou sobre o ocorrido e falei que achei estranho,mas que ela não se importasse com isso que eu só queria vê-la feliz e sem depressão.Fomos dormir,mas antes a fodi muito,ela gozou várias vezes.
Pela manhã,voltamos à praia e já estávamos acostumados com toda aquela nudez.Tomamos algumas cervejas e estávamos mais soltos e meu pai comentou que Ana estava bem melhor e concordei.Ela estava dentro do mar e nos chamou,entramos e a abracei e nos beijamos muito com meu pai nos olhando;acho que ele se excitou.Eu me excitei e a chamei pra irmos pra areia e deitamos namorando muito.Meu pai ficou dentro da água e deu as costas pra nós.Desci minha mão até a buceta de Ana e a masturbei;ela gozou que molhou meus dedos e se molhou toda;me chamou pra voltarmos pra água mas não quis.Fiquei deitado,fechei os olhos e a mandei ir só pois meu pai estava lá.Ana viu que fechei os olhos como que dormindo.Acho que adormeci e quando abri os olhos,meu abraçava Ana por traz como que a ensinando a nadar e fazia movimentos com os braços mexendo o corpo e com certeza Ana estava sentindo o pau do meu pai em sua bunda;aquilo me deixou puto,pois meu próprio pai encoxando minha mulher,mas depois senti um certo tesão. Ana resolveu sair da água e quando ela chegou me levantei e conferir como meu pai estava.Ele estava excitado e ele me pediu desculpas e falou que estava há vários dias sem minha mãe e estava com muito tesão,mas que hoje a noite pegaria uma mulher qualquer no bar do resort e se aliviaria.Rimos juntos.
Já no hotel,falei pra Ana que a noite eu iria descansar um pouco,que se ela quissesse poderia ir ao bar do restaurante com meu pai;ela me deu beijos de alegria e fodemosmuito, e terminou bebendo todo meu leite.Adormeci e no meio da noite,acordei para mijar e não vi Ana e lembrei que ela estaria com meu pai no bar.Fiquei na cama vendo tv;depois tomei um banho e pelado desci pro bar do hotel;dentro do elevador,tinha uma garota novinha (uns 18 anos)linda.loirinha e notei sua bucetinha totalmente depilada e fiquei um pouco excitado.Quando chegamos ao bar,ela desceu e vi que um casal a esperava e vi que era seu pai e sua mãe;ela chegou na mesa beijou a mãe e sentou no colo do pai sem nenhuma repreensão da mãe;pelada sentada no colo do pai,um senhor loiro tipo alemão.Segui indo à mesa ode estava Ana e meu pai.Chegando na mesa,comentei com eles o ocorrido com a garota loira e eles olharam e meu pai comenteou,que deveriam ser liberais;afinal estavam nus e isto é uma forma de liberdade,falou ele.Concordei e Ana também falando assim: Amor,quer que eu seja liberal também? Perguntei: Como assim?Posso sentar no seu colo ou no do meu sogro e srei liberal e ficou rindo.Ela veio e sentou no meu colo,e ficou assim por uns bons dez minutos me deixando ficar com uma ereção enorme.Ela riu e saiu e sentou na sua cadeira.Foi quando meu pai questionou: Filho,você escutou quando ela falou que sentaria no meu colo também?Falei concordando,mas disse que ela estava brincando,apenas;e Ana falou que não estava brincando e foi sentar no colo do meu pai e bebia sua cerveja e o papo seguiu corrido,que esqueci que Ana continuava no colo do meu pai e o via bem feliz com aquele ato dela.Ela se mexia o tempo todo conversando e meu pai incomodado até que ela se levantou e meu pai foi direto me informando que Ana o excitou.Apenas falei confio no senhor,pai.Pedi outra cerva e fiquei saboreando a beleza daquela loirinha do elevador que não estava mais sentada no colo do pai dela;quando procurei Ana,meu pai informou que ela foi ao banheiro.Meu pai conversando me pede desculpas de novo pelo ato de Ana e falei que sabia da necessidade dele e que agisse normalmente,pois Ana o via como um pai.Nesse momento,Ana retorna do toilet e comenta que a loirinha voltou a sentar no colo do pai e vejo que é verdade.Posso sentar no seu colo,amor,Ana me pergunta.Digo que vou ao banheiro e levanto.Quando retorno,vejo que Ana está sentada de novo no colo do meu pai;e ele diz:Filho,ela veio e sentou… e respondi,tudo bem,pai,fique a vontade.Nesse momento,o garçon vem até mim e diz que o senhor,pai da loirinha,estava me chamando à mesa deles;me dirigi até lá e sentando falei com meu pouco françês;ele se apresentou e falou que sua filha queria sentar em meu colo e me conhecer.Aceitei,e aquela linda garota sentou em meu colo e fiquei logo excitado,quando seu pai falou em meu ouvido para penetrá-la sutilmente.A levantei um pouco e posicionei meu pau(18cm) dentro daquela linda bucetinha depilada sem preservativo sem nada(loucura)ela apenas se mexia,até que gozei dentro daquela bucetinha lisinha.Informei a eles que tinha gozado e ele me passou um guardanapo para me limpar.Agradeci e tomamos umas cervas,conversando.Quando olhei Ana ainda estava sentada no colo do meu pai e se movimentava,ele recostado na cadeira segurava em sua cintura e senti que meu pai estava dentro da buceta da minha esposa;meu pau subiu na hora e não quis atrapalhar e permaneci na mesa do casal,afinal eu também tinha gozado com aquela garota.Mas queria ver de perto,pedi licença e voltei a minha mesa e Ana estava ofegante e perguntei o que estava acontecendo e ela se aproximou do meu ouvido e falou: Seu pai está me penetrando e estou quase gozando;ele vai gozar dentro de mim como você fez com aquela putinha loira;eu vi daqui você fodendo ela sentada no seu colo.Você,a partir de hoje,vai ser corno e vou foder a viagem inteira com meu sogro,que será meu homem agora.E foi tendo um orgasmo e meu pai pegou nos peitinhos dela e apertou,gozando dentro da buceta de minha esposa.Era a confirmação de um incesto que eu ia viver.Meu pai se levantou e foi ao toilett e quando voltou falou que estaria no quarto nos esperando.Quando chegamos no quarto ele já se encontrava deitado na cama e falou que a partir daquele dia tudo mudaria e não queria mais ver Ana triste e que eu ia ter que aceitar o que nos acontecesse.E foi pro quarto dele.Durante a noite,fodi muito com ela e notei sua buceta um pouco relaxada e mais folgada e ela gozou e gozei dentro dela,pois queria dar um filho meu a minha esposa.
Pela manhã,meu pai nos acordou cedo(umas 6 hs da manhã) nos chamando pra irmos à praia pois as dunas estavam bonitas e o mar calmo.Fomos pelados,os três;Ana não parava de olhar o pau do sogro e isso me deixou um pouco com ciúmes,mas relaxei.Chegando na beira da praia,arrumamos nossas coisas e Ana deitou e passei protetor nas costas dela,quando meu pai a chamou para ir se molhar e logo ela se levantou e foi com ele…Eu fiquei na cadeira vendo os dois entrarem na água;vi meu pai indo pro fundo e Ana com medo,mas ele veio e a pegou pela cintura e vi quando ela subiu na cintura dela e o envolveu com suas pernas,tinha certeza que o pau dela estav encostando na buceta da minha mulher,fiquei em pé pra que eles vissem que eu estava assistindo aquilo,mas não se importaram;vi quando meu pai fez uma certa pressão para penetrá-la e ela jogou a cabeça para traz;o sogro de minha esposa estava dentro dela e em pé fiquei excitado e me aproximei da beira da água,foi quando meu pai pegou o pescoço dela e a beijou na boca e foi um beijo longo; e beijava e a penetrava e eu chamava pelos dois e eles faziam que não me escutava… eu gritava e nada! Foi quando olhei e vi que estávamos sozinhos nas dunas.Entrei no mar e fui em cima do meu pai o agredindo,ele soltou Ana e veio pra cima de mim,me esmurrando e me jogou no chão e falou alto pra mim: _ Você não é homem pra essa mulher, a partir de agora ela é minha e vou fodê-la quando eu quiser seu merdinha.Ela está me amando também como ao pai dela e vou dar amor e muito sexo a ela e você vai ficar calado pra sua mãe se não te deserdo e você vai ficar pobre sem nada.Hoje vou dormir no quarto de vocês pra você assistir e aprender como se dar prazer a uma muher sedenta de sexo.E me deu um soco.Chamou Ana,a beijou e foi pro resort.Fiquei conversando com Ana e ela falou que aceitou a proposta do sogro e que ele a fazia gozar e estava precisando disso. E saiu. A noite ele entrou no nosso quarto,me tirou da cama e chamou Ana,que já chegou pra ele o beijando na boca e le mandou eu sentar numa poltrona e assistir ele foder minha esposa.Ana segurava o pau duro do meu pai sem querer soltar,até que colocou dentro da própria buceta a fazendo gritar e senti um tesão enorme vendo meu pai,aquele homem forte,um pouco barrigudo de cerveja,em cima de minha mulher a amando.Ele tirou o pau da buceta dela todo molhado do gozo dela, abriu as pernas e caiu de boca na buceta lisinha toda molhada,mordeu o grelinho dela e ela desfaleceu,voltando com um beijo dele demorado.Meu pai sabia dar prazer a uma mulher e seu pau era maior que o meu( 20 cm)grosso.Ele a penetrou de novo e num movimento rápido e a fazendo gritar,gozou dentro dela,quando tirou ainda melou em cima da buceta dela.Tirou,deu um outro beijo e foi pro banho.Me aproximei de Ana e beijei também e perguntei se estava feliz e ela respondeu que muito,que parecia que o pai dela tinha voltado,pois antes de casar comigo já praticava incesto com o pai e por isso a depressão e meu pai acabou com isso.Ficamos mais uma semana em Paris e durante essa semana,meu pai não deixou eu gozar dentro de Ana,só ele fazia isso.Eles fodiam a qualquer hora na minha frente e eu também a fodia,mas ele era o preferido dela.Voltamos ao Brasil e éramos outras pessoas;minha mãe não desconfiou de nada.Meu pai sempre inventava uns jantares pra mim do escritório para irmos os 3,mas claro que era pra um motel;na última vez ele gozou em cima da buceta de Ana e me obrigou a lamber e beijar ela.Gostei.Durante meses assim,depois de 3 meses,Ana se dizia grávida e eu não sabia se meu ou de meu pai;se teria um filho ou um irmão.Deixei assim.Até hoje continuamos com nosso relacionamento.Gosto de assistir e ver os dois gozando e ser um corno familiar.