O outro lado da história – parte 4



Click to Download this video!

Olá estou devolta! Pra quem não acompanhou meu relato dês de o início:

O outro lado da história
O outro lado da história – parte 2O outro lado da história – parte 2/5
O outro lado da história – parte 3

Eu e Araújo estávamos nus no banheiro, um dando banho no outro de pau duro, com nossos filhos assistindo a cena. O Arthur não conseguiu segurar a excitação de ver o pai agarrada com outro macho no chuveiro e ficou de pinto duro, assim como seu irmão Miguel e meu filho, Allan.

Allan, percebeu que era hora de entrar em ação e pegou no pinto do Arthur que não mostrou resistência ao carinho. E começaram a se esfregar um no outro assim como eu e o Araújo. O Miguel acompanhava tudo sem saber o que fazer, e veio se juntar a mim e ao pai.

Colocamos o Miguel em nosso colo e fizemos um sanduíche de muleque. Esfregávamos nossos corpos nele e beijávamos sei pescoço e costas. Ele virava os olhos para trás de tanto prazer que sentia no carinho. Olhei para Allan e Arthur que se beijavam intensamente. Arthur passava a mão por todo corpo do meu garoto, estava explorando aquele corpo centímetro por centímetro.

Olhei devolta para o Araújo que estava com a língua atolada na boca do Miguel que sugava a língua paterna com vontade. Chamei os meninos pra se juntar conosco, eles não perderam tempo. O Allan pegou meu pau e o Arthur pegou o pau do Araújo. Fiquei surpreso ao ver essa iniciativa vinda do Arthur.

Os meninos pareciam competir pra ver quem colocava a rola mais fundo. Miguel larga a língua do pai e fala que também que chupar igual os meninos. Ele desce do colo e segura as duas rolas enquanto os outros chupavam. Eu e Araújo organizamos a bagunça, e falamos pra eles revezarem as rolas. Chuparam até o leite jorrar das picas, a primeira vez que o Arthur e Miguel provaram o sabor do sêmen fizeram cara feia, mais o meu bezerro bebeu toda a minha porra e a do Araújo também. Finalizando com um beijo molhado no Arthur. já estávamos no banheiro cerca de 1 hora e decidimos sair pra não chamar atenção do vigia (os banheiros era perto da casa dele) .

-Vamos meninos, brincamos mais na barraca!

Voltamos pra área de acampamento, a fogueira já estava quase no fim, só restava as Brasas acesas. Os meninos entraram na barraca enquanto eu e Araújo tentávamos achar alguma madeira pra reavivar a fogueira, quando ouvimos a voz do vigia:

-opa! Tudo bem aí?

-opa, tá sim. Estamos procurando lenha pra fogueira.

-eh, eu vi que o fogo tava apagando, "eu vejo tudo que acontece por aqui! "

Nessa frase, meu sangue gela. O meu olhar encontra o olhar do Araújo que estava na mesma situação.

-O que foi? Viram um fantasma? Hehe

-não, haha só estamos um pouco cansados.

-"eu também estaria cansado no lugar de vocês…"

(Mais uma indireta, esse cara viu algo) pensei comigo.

-Como assim no nosso lugar?

-vi na placa do carro que vocês são de "xxxxxxxxxxxxx" (nome da cidade), fizeram uma viagem bem longa pra chegar aqui nesse fim de mundo.

Araújo respondeu:
-sim, é um pouco distante. Meu pai me trazia aqui quando eu era pequeno. Vim ano passado, e trouxe meu amigo pra conhecer. Decidimos voltar com nossos filhos pra aproveitar um pouco.

-Sou o novo vigia aqui, já faz 7 meses que comecei, eu teria lembrado de vocês se estivesse aqui na época em que vinheram da última vez. "Já aproveitaram um pouquinho hoje", e vão aproveitar muito mais amanhã.

Araújo já estava pálido e nervoso como eu. Ou era cisma da nossa cabeça ou esse cara tinha visto algo.

Eu:
-aproveitamos nada hoje, quando chegamos só deu tempo de montar a barraca e acender a fogueira…

Vigia:
-isso é uma forma de aproveitar pra mim. Gosto muito de fazer essas coisas de acampamento hehe… eu vim avisar pra vocês que perto da minha casa tem lenha cortada, podem pegar. Melhor que procurar no escuro.

Aceitamos a oferta e fomos até a casa pegar a lenha.

Vigia:
-vocês não querem entrar um pouco e tomar uma bebida?

Eu:
-não obrigado, temos que voltar rápido. Nossos filhos estão sozinhos na barraca…

Vigia:
-não se preocupem! O pesque e pague está muito seguro dês de que colocaram as câmeras de segurança, "até no banheiro tem! "

Nessa hora tive a confirmação de que ele havia visto a nossa farra no banheiro! Araújo olhava pra mim sem voz.

Eu:
-vamos parar de joguinhos! O que você pretende fazer com esse vídeo? Vai nos chantagear? Quer dinheiro?

Vigia:
-bom, eu acho meio errado o que vocês fizeram, mais eu fiquei com um puta tesão. E ainda mais sendo filho de vocês. Puta merda, meu pau tá duro até agora.

Olhamos pra o volume em sua calça e realmente era um belo volume. E tentei fazer um acordo com ele:

-pelo jeito você gostou do que viu…

-adorei!

-Podemos fazer um trato, se estiver enteressado.

-Pode falar!

-se você deletar a filmagem, deixo você comer o meu filho…

-O menorzinho?

-não, o de cabelo preto de 9 anos.

-quero o loirinho, o menor.

-ele ainda é virgem, cara. Chupou uma rola pela primeira vez faz nem meia hora.

-Quero tirar a virgindade do menor. Aí eu apago a gravação!

Olhei pro Araújo e ele tava pensativo.

-E aí Araújo?

-Melhor que ter a vida destruída por esse vídeo. Mais se ele não aguentar você vai ter que ficar com o Allan que já tá desvirginado.

O vigia aceitou o acordo e apertamos as mãos!

Voltamos os 2 pra barraca pra buscar os meninos e levar pra casa do vigia. Chegando lá os 3 estavam nus, Allan sentando na rola do Arthur e o Miguel com o cú na boca do irmão.

Eu:
-tá ensinando pra eles filho?

Allan:
-tô aquecendo pra vocês hihihi

Araújo:
-vamos, venham os 3 com a gente…

Arthur:
-pai, me dá sua rola aqui na barraca…

Araújo:
-agora não filho, o vigia viu o que fizemos. E a câmera de segurança gravou tudo. Fizemos um acordo com ele. Ele quer o cú do Miguel.

Miguel:
-eu quero fazer isso igual o Allan, pai!

Levamos os meninos até a casa do vigia que se chama kleber, e tem 29 anos. Moreno, cabelo preto, 19cm de rola (eu perguntei antes dele comer o Miguel) e corpo sem pelos. Era bem forte pela vida na natureza. E usava o cabelo curto dos lados e grande em cima, amarrado atrás (tá na moda esse cabelo)

Ele abre a porta nu e sorrindo para os meninos. Os meninos vão entrando e segurando o pau do kleber.

Kleber:
-vem aqui pequeno, senta no meu colo. Seu nome é Miguel, não é?

Miguel:
-sim.

Kleber:
-gosta disso aqui?

Ele pega no pau é mostra pro garoto que confirma com a cabeça.

Miguel:
-eu chupo

Kleber:
-tem uma brincadeira mais legal pra fazer com ele. Quer brincar comigo?

Miguel:
-quero.

Kleber:
-dói um pouco no começo, mais depois fica muito gostoso.

Miguel:
-tá bom.

Araújo tira o shortinho do filho e o coloca na cama de frango assado. Dou pra ele um frasco de KY analgésico que trouxe para os meninos. Ele unta o cú do filho e entrega pro kleber melar a camisinha com o gel.

Miguel:
-papai, me dá seu pinto pra eu chupar?

Araújo tira a bermuda e a rola apontando pro teto. Isso deixa os meninos atiçados, Allan e Arthur logo metem a mão na minha rola que já estava dura como pedra.

Kleber começa a pincelar o cú virgem e forçar a entrada. Miguel reclama um pouco mais relaxa.

Araújo:
-vai com calma, kleber!

Kleber:
-pode deixar vou fuder seu filho bem gostoso.

Miguel com a rola do pai na boca aguenta firme até a metade da rola do kleber. E começa a chorar dizendo que estava doendo.

Araújo:
-tira, tira o pau. Tá doendo!

Kleber:
-calma Miguel, já vai ficar gostoso. Aguenta do mais um pouco.

Ignorando as ordens do Araújo o kleber enfia tudo até o talo numa só estocada. O menino grita mais não largava o pau do pai.

Araújo:
-caralho! Eu mandei tirar!

Kleber levanta Miguel cravado em seu pau choramingando.

Kleber:
-xiiiiii, eu sei que tá doendo. Relaxa um pouco. Fica calminho que para de doer, Miguel.

O menino começou a se acalmar e o kleber colocou ele deitado na mesa ainda cravado em seu pau. Começou a fazer movimentos de vai e vem bem lentos e curtos. O Miguel já estava gemendo e pedindo rola do pai. O gel estava fazendo efeito.

Enquanto isso meu pau estava sendo devorado pelos moleques. Enquanto Arthur dividia minha rola com o Allan, ele enfiava o dedo no cú do meu filho que estava adorando a brincadeira.

Araújo já calmo, vendo que o Miguel relaxou na pica do kleber decide rasgar o cú do Arthur também.

Araújo:
-Hoje filho meu não sai daqui virgem de cú!

Arthur olha para o pai e fala:

Arthur:
-agora que o Miguel perdeu a virgindade do cú o senhor não tem mais filho com cú virgem! Hahahaha

Araújo:
-como assim?

Arthur:
-meu professor de natação mete o pau em todos os alunos. Vai fazer 1 ano que eu tô levando rola toda quarta feira. Hahaha e o senhor paga pra isso hahaha

Kleber:
-ehhhh, Araújo. Pelo jeito cú virgem não tá no seu cardápio de hoje hihi hihi

E aí pessoal! Tudo bom!?!
Espero que estejam gostando do relato. Por incrível que pareça é real. Vou parar por aqui, pois tenho um cuzinho pra comer me esperando. Pena não poder postar fotos aqui.

No próximo capítulo vamos ter uma conversinha com o Ricardo, professor de natação do Arthur.

Comentem, isso incentiva à escrever.
Abraço!

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 1 votos)
Loading...