Papai me fudeu e mamãe adorou



Click to Download this video!

Olá meu nome Bruno, tenho 20 anos atualmente e hoje vou contar como meu pai comeu meu cuzinho e mamãe ainda ajudou ele nisso.
Eu desde pequeno sempre fui muito curioso e esperto. Nunca me deixei se enganar pelo o que as pessoas mais velhas diziam pra mim. Na minha casa era eu, meu pai e minha mãe. Sendo filho único a atenção era toda pra mim e sempre meus pais foram carinhosos comigo.
Quando eu tinha 8 anos, eu adorava brincar na rua com meus amigos. Era de futebol, bolinha de gudi, esconde esconde, pular carniça, entre outras. Mais eu adorava brincar também de uma brincadeira que somente eu e mais alguns amiguinhos meus sabíamos. Era brincar de roçar nossos piruzinhos um no outro. Sempre que brincavamos de esconde esconde, ou estavamos sozinhos na casa de algum amiguinho, agente tirava nossos shorts e deitavamos uns em cima dos outros e começavamos a roçar até agente gozar. Claro que com nossa idade não saia a gala que sai quando vc tem 20 anos, mas saia uma aguinha e vinha aquela cosquinha deliciosa no nosso piruzinho e agente adorava aquilo. Mas comigo era diferente. Eu sempre gostei que meus amiguinhos roçassem seus piruzinhos no meu anel. Eu achava mais gostoso sentir eles durinhos bem na portinha deslizando. Eles cuspiam no meu cuzinho e ficavam roçando. Era uma delicia. Eu ficava de 4 no chão e eles atrás de mim roçavam até gozar e molhar meu anel. Os mais velhos que eram mais espertos, metiam o dedo bem fundo e eu pirava com isso. As vezes metiam o cacete no meu cuzinho e era bom de mais. Eu me achava o maximo pois todos queriam fazer em mim, as vezes até briguinha rolava só pra decidir que ia meter em mim primeiro. No final, alguns metiam e outros só roçavam e todos melavam meu anel. Era muito bom. Mas eu aprendi muito mais na minha casa mesmo. Por diversas vezes eu acordava de madrugada pra ir ao banheiro, e via meus pais transando no quarto deles. As vezes minha mãe tava por cima do meu pai que metia sem dó fazendo ela gemer muito e gritar alto de prazer. E eu via eles ali e eles me viam e nada diziam, apenas olhavam pra mim e continuavam. E aquilo era normal por que, na primeira vez que eu vi eles transando, minha mãe explicou no dia seguinte pra mim, que aquilo era normal de todo casal como o papai e a mamãe, e que eles faziam aquilo por que se amavam muito. E explicaram pra mim, que foi fazendo aquilo de uma maneira mais especial, que eu nasci. E que futuramente eu também faria aquilo com uma mulher ou com um homem, se eu quisesse namorar um homem. Então quando eu via os dois transando em qual quer lugar da casa, eu lembrava disso e apenas ria pra eles e eles pra mim. Nunca tiveram vergonha disso. Uma vez eles estavam no sofá da sala trepando bem gostoso, e eu por curiosidade e por nunca ter visto de fato um pau entrando num cu ou numa buceta, fui até onde eles estavam e fui pra de trás de mamãe que cavalgava o papai com a buceta no pau dele. Eu fiquei olhando ali o pau do papai entrar e sair, até que eles param e me chamaram de curioso e começaram a rir. Eu dei risada junto e disse que achava legal ficar olhando. No fundo, eu ficava era olhando pro piruzão do papai durão e fiquei de piru duro também. Minha mãe então me chamou pra cima do sofá e pediu pra mim baixar o short. Eu não baixei, fiquei com vergonha deles ver meu piruzinho duro. Então ela mesma pegou e baixou meu short e viu meu piruzinho duro. Eu fiquei com vergonha e ela passando a mão no meu cabelo disse que eu não tinha que ficar daquele geito com eles. Eles eram meus pais e me amavam muito. Ela me deu um selinho e papai pediu um também. Depois ela elogiou meu piruzinho dizendo que era grandinho e muito bonito como o do papai. O meu tinha 13cm quando ficava durinho e nada muito grosso. Eu abri um sorrisão e disse que amava muito eles. Depois eu sai da sala e fui pro quarto brincar com meus brinquedos.
Alguns dias depois eu tava no meu quarto brincando e mamãe lavando roupa no quintal, eu fui até lá pra ficar com ela pois o papai tava trabalhando e eu não queria ficar só. Eu fiquei conversando com a mamãe até ouvir a voz de um vizinho nosso que era meu amiguinho. Seu nome era Léo, mais nós chamávamos ele de Lelê. Ele era mais velho que eu 2 anos. Eu então gritei pro Lelê vir pra minha casa brincar comigo. Ele disse que já ia e pedi que trouxesse seus brinquedos. Alguns minutos depois ele chegou e agente foi pro quarto brincar lá. Começamos brincar com bonecos e com alguns carrinhos, mais ai logo ele deu uma ideia melhor.

-Bruno, vamos brincar de roçar. Hoje vai ser melhor por que só é agente e vamos brincar mais.

Eu concordando com ele falei.

-Vamos. Roça sempre em mim ta. Eu gosto mais quando fazem em mim.

-Ta bom. Mais nos vamos fazer só um pouco e depois agente para pra olhar se sua mãe ta vindo.

-Ta bom.

Então tiramos os shorts e eu fiquei de 4 na cama com o cuzinho bem abermetia pra ele. Ele então deu uma cuspida no meu cuzinho e começou enfiar o dedo. Ah como eu adorava aquilo. Ele ficou fazendo um vai e vem bem devagar e dizia que era bem apertadinho meu cuzinho. Embora eu já tivesse dado bastante meu cuzinho, nós eramos muito pequenos. Ninguém tinha um pau que pudesse me arrombar naquela época. Então depois de meter bastante o dedo ele começou enfiar o piruzinho dele no meu anel. O dele era do tamanho do meu só que mais grossinho. Ele então começou o vai e vem bem gostosinho. Ele segurava na minha cintura e metia com força. Passamos alguns minutos assim e ele quis parar pra olhar, mais tava tão bom que eu falei pra ele não se preocupar que minha mãe tava lavando roupa e não vinha não. Ele disse que era rapidinho, mais eu falei que não parasse que tava gostoso. Ele então continuou me comendo bem gostoso. Ele abria meu bumbum e metia bem forte em mim. Aquilo tava tão bom que perdemos a noção do tempo e só paramos quando a minha mãe fala.

-Posso saber o que está acontecendo aqui?

O Lelê rapidinho saiu de dentro de mim e ficou em pé olhando pra minha mãe morrendo de medo. Eu subi na cama e fiquei encoido com as pernas juntas e a cabeça entre os joelhos. Eu já começava a chorar e o Lelê em pé de cabeça baixa. Minha mãe pediu que ele vestisse o short, pegasse os brinquedos e fosse pra casa. Ele com medo pediu que minha mãe não contasse nada pra mãe dele ou ela iria dar uma surra nele. Ela disse que não ia dizer nada, mais depois queria ter um conversinha com ele. Ele agradeceu e foi embora. Eu na cama chorando e minha mãe em pé na minha frente.

-Bruno olha pra mim

Eu chorando olhei pra ela

-Por que você esta chorando?

-Por que a senhora vai me bater?

Ela então ficou de joelhos no pé da cama e disse.

-Por que eu ia bater em você meu amor?

-Por causa do que eu tava fazendo

Ela então me abraçou e disse que nunca iria me bater por causa daquilo. E pedi desculpa e ela ficou abraçada comigo fazendo carinho no meu cabelo.

-Eu nunca iria bater no bebê de mamãe. Mamãe te ama muito.

Eu mais calmo prometi nunca mais fazer aquilo e ela mandou eu parar de ser bobo. Aquilo não era errado, e nunca seria.

-Filho fala pra mamãe, você gosta de brincar assim com os seus amiguinhos?

-Sim mamãe. Eu gosto

-E você gosta mais quando fazem em você ou quando você faz neles?

-Eu sempre peço pra roçarem em mim mamãe. Eu gosto mais

-Que safadinho. Meu bebe gosta de levar no cuzinho é?

Ela então me abraçou e me enxeu de beijos e fazendo cosquinha em mim dizia que me amava muito. Eu abraçei ela e dei um monte de selinho nela dizendo que amava ela. Ela então me soltou e pediu que eu ficasse de 4 pra ela olhar meu cuzinho. Então eu fiquei e ela abriu meu bumbum e disse que eu tinha um cuzinho lindo e rosinha igual de uma menininha. Ela passou o dedo e disse que tava quentinho de tanto levar o piruzinho do Lelê. Agente deu risadas juntos. Ela deu um tapinha na minha bunda e disse que os meninos deviam ficar louquinhos pra me comer. Eu disse que rolava até briga entre eles quando queriam me comer. Ela deu mais risada e disse que eu era a putinha deles. Depois eu levantei da cama e fui pegar meu short pra vesti, mais ela disse que eu fosse tomar banho pra depois almoçar. Então eu fui.
Já durante a tarde, ela estava assistindo a novela da tarde na TV deitada só sofá, eu tava só de shortinho bem leve e sem cueca por baixo. Eu fui e deitei junto dela no sofá. Ela me abraçou e ficamos colarinhos assistindo TV. Passamos um tempinho em silencio e ela me pergunta se já fazia muito tempo que eu tava dando o cuzinho pros meus amiguinhos, e eu disse que não, e depois ela perguntou o que eu sentia quando algum deles metia em mim, e eu disse que era muito bom e que eu queria sempre mais. Ela me beijou no pescoço e disse que eu poderia brincar o quanto eu quisesse. Que eu poderia dar aos meus amiguinho o tanto que eu quisesse já que eu gostava e que nunca iria me proibir. Mais eu deveria tomar cuidado pra ninguém ver, pois tem muita gente que não deixa e brigaria comigo. Eu falei que teria cuidado e ela me abraçou forte e me beijou no rosto me chamando de menininha. Eu dei risada e ela também.

-Mais filho, e se a mamãe também quisesse brincar com seu anel, você também deixava a mamãe brincar??

-Sim mamãe, eu te amo e deixava sim

-Então tira o shortinho pra mamãe te mostrar como que se faz mais gostoso

Eu tirei meu short e deitei de bruços no sofá. A mamãe então abriu minha bunda e começou lamber meu cuzinho. Eu soltei um gemidinho pois aquilo foi muito bom. Ela lambia e ficava enfiando a lingua dentro do meu cuzinho. Aquilo tava tão gostoso que eu fechei os olhos e ficava só sentindo a lingua da mamãe no meu buraquinho. Ela rodava a lingua e depois fazia uns vai e vem no meu anel. Aquilo me deixou com o meu piruzinho muito duro. Eu coloquei a mão por baixo e comecei bater uma punhetinha bem gostosa.

-Isso minha putinha, bate uma punheta bem gostosa pra gozar com a lingua da mamãe vai.

Ela chupou por uns 10 minutos meu cuzinho até tirar a boca e por seu dedo pra mim chupar, pois ela disse que enfiaria ele todinho em mim. E assim eu fiz. Chupei bem gostoso o dedo dela e ela disse que agora eu ia sentir algo melhor que o piruzinho dos meus amiguinhos. Ela então começou meter e eu quis sair por que doeu um pouco, mais ela parou e pediu calma que logo ficaria gostoso. E assim ela fez. Meteu o dedo todinho e foi mais fundo do que eu já tinha sentido. Era mais gostoso com ela do que com os meu amiguinhos. Ela mexia o dedo e eu sentia ele bem fundo como nunca tinha sentido com os meus amiguinhos. Ela começou fazer um vai e vem gostoso de mais. Ela empurrava fundo e eu até gemendo tava. Me dava tapas na bunda me chamando de safadinha da mamãe e dizendo que meu cuzinho era uma delicia, era apertadinho e agora sabia o por que de eu sempre brincar no quarto com meus amiguinhos. Eles queriam comer minha bundinha de menina safada, mais agora quem comeria minha bundinha seria ela. Ela então juntou dois dedos e começou enfiar no meu cuzinho. Eu falei que tava doendo e pedi pra ela parar, mais ela disse que viadinhos como eu era, não podia reclamar de levar pica ou dedada. Tinha que aguentar firme. Eu olhei pra trás e vi ela com o dedo indicador e o dedo do meio no meu cuzinho fazendo um vai e vem lento. A dor tava começando passar e eu começando a gostar de ter dois dedos da minha mãe no meu cuzinho, que por sinal eram bem maiores e mais grossos que os dos meus amiguinhos. Eu tava de bruços no sofá, ela então me colocou de 4 e agarrou o meu piruzinho e iniciou uma punheta deliciosa enquanto me comia com os dedos. Eu gemia e ela empurrava mais. Só sei que depois de um bom tempo, eu gozei na mão dela gemendo alto. Eu fiquei molinho. Foi intenso de mais aquela gozada. Eu cai deitado no sofá novamente de bruços e ela veio até meu ouvido e disse o seguinte.

-Gostou viadinho da mamãe?

-Sim mamãe, foi muito bom

-Que bom, por que ainda não acabou. Eu conheço um piru que você vai adorar. Você vai dar esse cuzinho pra ele hoje a noite.

Eu não questionei minha mãe, se ela disse que eu ia adorar, então ela sabia o que tava fazendo. Ai, ela veio e deitou atrás de mim no sofá e disse.

-Bruninho, a mamãe precisa que você também brinque nela. A mamãe ta com vontade do papai mais ele não ta aqui. Você faz pra mamãe também?

Eu só balançei a cabeça afirmando, e ela então tirou a calcinha e jogou longe ficando com a bucetinha de fora. Ela estava de lado no sofá, encostada nas costas do sofá, então ela apoiou uma perna no encosto do sofá e ficou de bucetinha livre e bem abertinha. Ela então disse que queria que eu metesse a mão inteira dentro dela. Eu falei que ia doer e ela disse que não ia. Ela ia gostar muito se eu metesse a mão dentro da buceta dela. Depois eu entendi, que meus dedinhos eram pequenos pra meter na mamãe, afinal eu só tinha 8 anos quando isso tudo tava acontecendo, mais minha mãozinha era a conta certa de fuder a buceta dela bem gostoso. Ela então pegou minha mão e chupou meus quatro dedos fora o polegar. Chupou até ficarem bem molhados e levou minha mão até sua buceta. Ela tava quente e molhada. Lembro de meus 4 dedos entrarem com um pouquinho de dificuldade mais entraram. Eu então comecei fazer um vai e vem com forme ela ia dizendo, e ela de olhos fechados gemendo alto. Eu fiquei ali até ela gozar na minha mão e depois ela chupou minha mão melada com seu gozo.
Naquele mesmo dia, a noite, minha mãe estava a me dar banho, ela me ensaboava todo e algumas vezes me masturbava e outras ela enfiava seu dedo no meu cuzinho e ficava girando dizendo que tava lavando, mais na verdade ela estava me preparando para o abate. tantotão perguntei pra ela, quem iria me comer. E se o papai descobrisse?. Ela pediu que eu ficasse calmo, e disse que quem iria me comer, era o papai. Eu fiquei assustado e disse que com o papai ia doer por que ele tinha o piruzão muito grande. Ela então disse que ia doer só um pouquinho por que ela mesma ia me dedar bem, pra deixar meu anelzinho bem abertinho pro piru do papai entrar sem machucar tanto. Ela abriu meu cuzinho e deu um beijinho dizendo, que um piru grande é muito melhor e mais gostoso que um pequeno. E que logo eu ia querer só piru grande.
De banho tomado, eu fui jantar no quarto assistindo Scooby Doo sem roupa como a mamãe a via dito. Estava eu assistindo e meia hora depois ouvi a voz do papai na sala. Ele veio até o quarto e me deu um selinho, depois foi até a cozinha falar com mamãe. Logo vi os dois passarem para o quarto e a mamãe olhando pra mim. Depois de jantar, uns vinte minutos depois a mamãe vem até meu quarto pelada e me pega no braço.

-Ta na hora Bruninho. Você vai gostar ta. O papai vai fazer devagarinho com você

-Ta bom mamãe

Ela então me levou até o quarto dela, e chegando lá o papai já tava nú com o piru durão apontado pra cima. Na hora meu piruzinho ficou duro e a mamãe percebeu mais só riu. Eu sentei do lado do papai e ele passou a mão no meu cabelo dizendo que já sabia de tudo. Ele disse que eu era o menino mais corajoso que ele conhecia. Eu na hora abri um sorriso. Ele disse que muitos homens como ele, tinha vontade mais eram medrosinhos. Eu dei risada e mamãe e ele riram juntos. Ele disse que era verdade. E eu era muito corajoso pois eu era pequeno mais já queria experimentar algo grande. E poucos meninos eram como eu. Eu o abraçei e o beijei muito, dizendo que queria que ele brincasse no meu anel com piruzão dele. Ele falou que iria fazer devagarinho pra não me machucar, e depois quando eu tivesse acostumado ele me comia mais forte, eu falei ta bom. Ele então pediu pra mim ficar de 4 na cama. Eu fiquei e ele abriu meu bumbum dizendo que eu tinha um cuzinho muito lindo. A mamãe disse.

-Eu te falei amor. É uma delícia o cuzinho do nosso viadinho. Chupa amor pra vc ver. É docinho o cuzinho dele.

Meu pai então meteu a lingua e se deliciou no meu anel. Chupava, lambia e metia a lingua bem fundo. Minha mãe pediu que meu pai deitasse e me colocasse sentado na boca dele que ela queria chupar o pau dele. Eu nunca tinha visto minha mãe chupando o piru do meu pai. Então meu pai deitou, eu sentei na boca dele com o cuzinho e minha se pois a chupa lo. Aquilo me deu muita vontade de fazer tambem. Eu nunca tinha feito aquilo com nenhum amiguinho, e pela a maneira que mamãe fazia deveria ser bom. Ela mamava no piru do meu pai com vontade, e eu louco de tesão gemendo na boca do papai. Depois de alguns minutos minha mãe tira o piru do meu pai da boca e diz que ta na hora do papai me comer. Mamãe me coloca de 4 na beirada da cama e abre meu cuzinho pro papai e fala.

-Mete tudo nele amor. Se ele gosta de dar o cuzinho, vai ter que dar direito.

-Você quer dar o cuzinho pro papai filho?

-Quero papai. Me come.

Quando eu falei isso a mamãe abril minha bunda e cuspiu no meu cuzinho e falou.

-Vai amor

Meu pai então encostou seu piru no meu anel e ficou fazendo um vai e vem sem penetrar. Mais aos pouco ele foi forçando, e forçando o piru no meu anel, e tudo foi entrando de pouquinho em pouquinho. Logo eu tava com a cabeça do piru do papai dentro do meu anel. Meu pai parou e perguntou se tava doendo. Eu disse que um pouquinho e ele deu um tempinho. Minha mãe passou a mão no meu cabelo e me deu um beijo de lingua bem gostoso onde ela enfiou a sua lingua dentro da minha boca, e ficou lambendo a minha. Depois ela disse.

-Calma Bruninho, o papai já meteu a cabeça, logo vai ta tudo dentro, e você vai ver como é gostoso.

Meu pai então continuou fazendo um vai e vem bem devagarinho e algumas vezes na entrada, ele dava um leve empurrão e eu sentia seu pau deslizar para dentro de mim. Juro gente, meu pai meteu 20cm no meu cuzinho de oito aninhos, e doeu muito pouco. Ele foi muito cuidadoso comigo como disse que ia ser. Não meteu tudo de uma vez como dizem em alguns contos. Quando papai encostou sua pélvis na minha bundinha, eu senti seu pentelhos e a mamãe disse.

-Pronto meu amor, o papai meteu tudinho em você. Doeu muito?

-Não mamãe

-Viu, eu falei que não ia doer muito. Agora o papai vai te comer bem gostoso… -Vai amor fode o cu do nosso filhinho.

Meu pai então começou devagar de novamente, e aos pouco foi aumentando o vai e vem. Minha mãe do lado o incentivava a ir mais forte que eu já aguentava. Ele então aumentou as estocadas e ficou num ritimo nem tão lento e nem tão rápido. Eu gemia e ele metia fundo em mim. Tirava seu pau até a cabeça e metia bem fundo. Minha mãe do meu lado metia seus dedos na buceta e gemia também dizendo que eu tava lindo dando o cuzinho pro papai, que ela me amava muito e tava adorando tudo aquilo.
Meu pai também alisava minha bunda e dizia que eu era bem gostosinho de meter, que meu cuzinho era apertadinho e quentinho. Mamãe mandava ele meter sem parar enquanto gemia socando os dedos. Eu gemendo também e ela pergunta se eu tava gostando, e eu disse que sim, que tava gostoso o piru do papai. Mamãe então fala.

-Meu amor, olha pro seu pai e pede pra ele meter. Pede pra ele meter com força que você ta adorando vai

Eu olhei pro meu papai e pedi a ele. Ele então disse que faria tudo pra putinha nova dele e assim fez. Começou socar com força no meu cuzinho. Eu tava adorando aquilo. Tava muito bom, mais ai eu senti que eu tava pra gozar então eu falei pra mamãe e ela parou de se dedar, e correu pra debaixo de mim pra iniciar um delicioso boquetinho em mim. Eu soltei um "aaiii" e agarrei a cabeça da mamãe forçando ela engolir todo meu piruzinho. Em seguida eu estava com a cabeça no colchão, o bumbum pra cima e de pernas abertas, e empurrando a cabeça da mamãe contra meu piruzinho, e tomando no cu. Alguns segundos depois eu gozei gostosinho na boca de mamãe, mais ela não tirou meu pau da boca. Ela engoliu minha gala com meu pau na boca. Alguns minutos depois, meu pai também avisa que vai gozar. Ai mamãe tira a boca do meu piru e me tira do piru do papai e pede pra ele vir na minha boca. Ela senta no chão, me coloca no colo dela e puxa minha cabeça pra trás segurando pelo o meu cabelo, que lembro ter doido um pouco na hora do puxão, e me pede que abra a boca, e não feche até que o papai coloque todo o leite dele na minha boca. Papai então bateu uma punheta rapidinho e gozou muito na minha boca e na da mamãe também. Mamãe pediu que eu engolisse tudinho. Depois que eu engoli, mamãe pediu que eu lambesse a cabeça do pau do papai que ainda tava melada de gala. Mamãe então segurou o piru do papai e eu lambi a cabecinha do piru dele. Mamãe então disse que agora sim eu tinha perdido o cabacinho do meu anel e bateu palmas pra mim junto com papai. Papai me pegou no colo e me enxeu de carinho. Mamãe veio também e nos abraçamos nós 3. Adorei aquela noite. Na hora de dormi, mamãe passou uma pomadinha no meu cuzinho pra não ficar doendo no outro dia. Depois daquela noite, eu passei alguns dias sem brincar com meus amiguinhos e sem dar pro papai, pois tinha que esperar meu anelzinho sarar. Mais, depois de alguns dias, eu passei a dar só para o papai. E enquanto ao Lelê, mamãe conversou com ele e autorizou agente brincar de roçar, mais que ele nunca dissesse a ninguém. Dai por diante foi só liberdade em casa.
Não tratem esse texto como um estupro, abuso, ou coisa do tipo. Se não gosta desse tipo de texto leia outro. Eu gostei do que meus pais fizeram comigo na infância, pois me ajudou a descobrir o que eu realmente queria ser. Hoje eu sou gay assumido, amo meus pais e também meu namorado. O Lelê.
Espero que tenham gostado do relato e até um próximo quem sabe. Beijinhos…