Caio, sodomizado, feminilizado e puta de malandro 06 ( descobri que minha mae foi putinha)



Click to Download this video!

Bom galera depois quando estava em casa a noite depois da daquela mamada mesmo sendo mais uma vez chantageado agora por seu Zé fiquei lembrando daquela sua pica grossa e meu cuzinho piscava sem parar mas não parava de pensar no meu macho Val e vê-lo ali estirado no chão cravado de balas fez com que me viesse lembranças de noites juntos e ele me sodomizando como um macho forte e viril, chorei como se tivesse mais uma vez perdido uma pessoa importante na minha vida como meu pai ate faltei a aula mentindo pra minha mãe que não tava me sentindo bem.
A noite La pra umas 22h00min disse pra ela que tinha melhorado um pouco e que iria dar uma volta pra respirar um pouco de ar e quando passava pela praça com quem dei de cara, isso mesmo seu Zé que me olhou com um olhar que se pudesse me comeria ali mesmo e me chamou com o dedo, sem que ninguém pudesse ouvir ele disse que me queria em sua casa logo para que ele finalizasse o que tinha começado mais cedo, ainda tentei argumentar mesmo dizendo que ele me conhecia desde novinho mesmo sentindo vontade de dar meu rabo mais uma vez, ele então me ameaçou disse em tom ameaçador, quer que os seus vídeos sejam expostos para todo bairro ou pior pra sua mãe seu viadinho sem vergonha, você me pertence agora entendeu, eu abaixei minha cabeça e disse que sim todo submisso, então ele me mandou de madrugada escapar da minha casa e encontrá-lo nos fundos da mercearia que hoje ele iria estourar meu rabo.
Mais ou menos La pras 02h00min eu sai pela janela e pulei o muro tomando cuidado de minha mãe e ninguém da vizinhança me ver e bati na porta dos fundos do bar e ele apareceu de cueca e deu pra notar o volumao que se formava e já reclamando de minha demora e eu expliquei que minha mãe demorou pra cair no sono então ele trancou a porta e já foi agarrando meu rabo enfiando o dedo forçando meu cu eu podia não querer ser mulherzinha dele mas o cara tinha pegada e mesmo com 55 anos sabia tratar uma fêmea como eu, chupava meu pescoço, beliscava meus peitos me arrancando gemidos abafados nessa hora ele com um sorriso safado disse, sabia que você queria, ta fazendo cuzinho doce mas ta louca por uma pica no cu não é, agora que o Val morreu não tem ninguém pra apagar o fogo desse rabao gostoso, naquele momento não sei o que me deu e com um tom de raiva disse que não tocasse no nome do meu querido Val e levei um tapa na cara que ardeu ate minha alma, ele falou que ali quem mandava era ele e que putinha ficava calada e só obedecia seu macho.
Ele disse entendeu viado eu disse que sim ele falou agora abaixa e faz seu trabalho e me ajoelhei em sua frente e já senti o cheiro que emanava daquela região e mordisquei seu pinto por cima da cueca e ele disse assim que gosto uma putinha que sabe satisfazer seu senhor e não sei o porquê aquele comentário e seu gemidos me deram tesão e continuei meu trabalho ate que abaixei sua cueca e sua pica saltou na minha cara e com a boca salivando afundei de uma vez só na minha boca minha fome de pica me assustava, minha cabeça dizia que aquilo era errado mas meu corpo não me obedecia e a cada gemido dele parecia um incentivo para que eu continuasse, lambia suas bolas e voltava a chupá-lo cada vez mais forte ate que ele forçou sua pica em minha garganta e senti seu leite sendo derramado em minha garganta gritando, bebe o leite do painho cabritinha, engoli tudo ate a ultima gota e ainda limpei seu pau olhando pra ele com uma cara de cadela no cio como ele dizia.
Ele me deu mais um tapa na cara não com raiva mas de um macho em sua cachorra e disse safada sabia que você queria e me levou pra uma mesa e me colocou de bruços e abaixou minha calca e expôs meu rabão e abriu ele com as mãos e suspirou de prazer com aquela visão e disse é hoje que eu vou matar minha vontade desse cuzinho e caiu mais uma vez da boca me fazendo gemer como uma puta, sua língua me invadia como uma serpente e eu movia invonlutariamente meus quadris e sua cara me entregando aquele prazer, foi quando ele enfiou um dedo em meu anus lanceando ele para sua pica me deu um pouco de ardor mas mesmo assim gostei depois foi 2 e depois três, já estava preparado para senti-lo então ele se levantou e roçou aquela jibóia na portinha da minha bunda e senti seus 22cm me invadir, naquele momento comecei a gozar só de sentir ele me penetrando e gritava baixo como uma gatinha manhosa e quando seu pau entrou todo em meu rabo ele disse, já gozou delicia agora vou te matar de tanto gozar na pica do seu novo dono e começou o vai e vem primeiro cadenciado depois mais rápido e forte me fazendo gritar de tesao eu já estava totalmente entregue e ele sabia disso fazia de mim o que queria .
Ele me fodeu de diversas formas de ladinho, de quatro, frango assado, puxando o meu cabelo como uma égua e depois de umas 2 horas que estava dando pra ele já estava exausta de gozar e não tinha mais forca ele fez uma coisa que nem eu esperava, ele me comia de 4 e me puxou pelos cabelos fazendo meu corpo arquear para trás ate sentir seu corpo peludo em minhas costas ele já estava no ponto de despejar mais uma carga de semem em meu cuzinho arrombado então ele me segurou pelo queixo e me lascou um beijão de língua que me surpreendeu naquele momento a única coisa que pensei que era meu 1º beijo em alguém e era com um macho dominador, o tesao daquele momento me fez ficar toda entregue e eu gozei quando senti seu leitinho me invadindo mais uma vez e meu grito de êxtase foi abafado por sua boca.
Depois disso tudo fui tomar um banho e ele logo se uniu a mim e durante a ducha tive que mamá-lo mais uma vez aquele coroa era insaciável e ele encheu mais uma vez minha boca, fui pra casa quase mancando de tanto dar, dava pra ele todos os dias e durante uma de nossas fodas lhe perguntei sobre aquela historia de que ele foi amante de minha beata mae e ele disse que quando minha mãe tinha uns 13 pra 14 anos ele seduziu, chantageou e transformou minha mãe em sua escrava sexual, que meu finado avo tinha vindo da roca pra tentar a vida na cidade grande e deixou sua filhinha e esposa pra trás e logo logo traria elas pra morar com eles assim que se estabelecesse e que conheceu meu avo quando esse quase foi assaltado e o salvou e fizeram amizade e juntos saiam pelos botecos da vida e curtiram muito as raparigas dos bordeis ate dividiam a mesma, se tornaram amigos de infância.
Seu Zé disse que ajudou meu avo trazer minha vó e mãe e ele disse que quando botou os olhos na minha mãe que tinha na época 11 anos viu que ela era muito desenvolvida pra idade e ele disse que naquele dia já matutava como iria fuder aquela virgenzinha bundudinha, meu avó os apresentou e quando minha mãe lhe disse muito prazer seu Zé ele disse que isso pode me chamar de “tio” ele disse que meu avo adorou que tinha encontrado um grande amigo e ate virou padrinho de minha mãe, compadre como dizia naquela época.
O tempo foi passando e seu Zé disse que sempre freqüentava a casa de meus avos e sempre dormia La só para ver minha mãe de shortinhos curtos e baby-dolls curtinhos a noite, meus avos nem ligavam porque sempre viam ele com muito carinho como ele dizia que nunca teve filhos e que via em minha mãe a filha que não teve, e sempre em aniversários, natais e festas festivas a enchia de presente, tadinho dos meus avos achavam que tinham encontrado um verdadeiro irmão, naquela época por serem muitos religiosos meus avos freqüentavam uma igreja da redondeza e não se opuseram por seu Zé não ser crente cada um seguia sua vida e a amizade é que valia ate que uma noite na casa de meus avos seu Zé disse que se meu avo não deixaria minha mãe trabalhar com ele no bar porque ele tava precisando de alguém responsável e que ele iria aumentar o estabelecimento e fazer uma mercearia, mas que tinha que ser à noite porque alem de trabalhar essa pessoa iria ajudá-lo na conferencia de estoque para saber se ele tava tendo prejuízo ou lucro e como sabia que eles estavam precisando de dinheiro os dois sairiam ganhando mas sem atrapalhar a escola.
Meus avos se olharam e aceitaram de cara porque acharam que foi DEUS que colocou seu Zé em seus caminhos mal eles sabiam que essa mercearia sendo feita era só para ele poder ficar a sós com ela, e ele falou que no trabalho ele sempre elogiava o desempenho de minha mãe e sua dedicação mas com uma semana ele colocou em pratica seu plano de tirar o cabaço dela, ficava sempre se mostrando, a elogiava dizendo que ela era linda e que quando crescesse mais iria casar com ela, dava abraços cada vez mais apertados e insinuosos, beijava se pescoço e dava alguns cheiros, deixava o cacete bem duro marcando a bermuda e sempre ajeitava ele pra ela notar, ficava encarando ela direto principalmente sua bundinha e quando ele notava ela o olhando ele lhe mandava beijos.
Seu Zé nos finais de semana viajava para um sitio pra pescar e sempre ficava La de sexta ate domingo a noite e levava minha mãe e avos e La ficava sempre de sunga meus avos não se importavam porque sendo muito humildes não teriam condições de pagar por nada daquilo e ficavam na deles ate minha mãe já tinha se acostumado com seu Zé quase pelado então ele chamou todos pra dar um mergulho na cachoeira e eles disseram que não tinham roupa de banho e ele disse que sabia disso então trouxe para eles um saco com algumas e mandou eles provarem, meu avo ate tentou dizer alguma coisa por causa da sua religião mais seu Zé foi mais rápido e disse que só tinha eles 4 ali e eles eram uma família, isso desmontou meu avo que disse é verdade e foram provar mais as que eram pra minha mãe eram pequenas pra seu volumoso corpo e ficaram bem apertadas não tinha como ela colocar um de minha avo porque ai ficariam enormes.
Quando eles apareceram com as roupas ele elogiou todos mas minha mãe ele disse que ela tinha ficado uma princesa e ela falou que era muito pequeno pra ela mas ele disse que estava ótimo e que não tinha achado maior que aquele, e La na cachoeira ele se divertiram muito e seu Zé sempre que podia agarrava minha mãe para fazer sentir seu pau duro cutucando seu rabão grande embaixo da água sem meus avos perceberem e ela era só risos achava aquilo gostoso ela já estava quase no papo pensava ele, a noite ele sentava na poltrona e meus avos nem ligavam de minha mãe sentar em seu colo e ele ficava lhe acariciando os joelhos e sem que meus avos olhassem beijava se pescoço e fazia ela se arrepiar todinha.
Bem ele ficou nessa por 2 anos mas nunca conseguia ficar a sós com ela e que ela lhe desse mais brecha para suas investidas e insinuações que eram constantes, chegava ao ponto de ele nem mais fechar a porta do banheiro do bar só pra ela ver seu cacete enorme, e quando ele notava ela olhando pra ele pedia desculpa por ela ter visto o piu piu do titio, ate que um dia teve uma festa na cidade e todos foram e ficaram ate altas horas meus avos queriam ir embora era umas 21h30min e deixaram minha mãe ficar porque o “compadre” ficaria e os irmãos também porque não era sempre que tinha uma festa daquelas seu Zé também ficou porque achou que poderia tentar alguma coisa com ela mas minha mãe não se desgrudava de suas amigas e La pras 23h00min ele perdeu minha mãe de vista e achou que ela tinha já ido embora e nem tinha se despedido dele e foi desolado pra casa então foi por um atalho pra chegar mais rápido em casa ate que passando por um terreno baldio perto de um muro ouviu uns gemidos e uns deixa pegar neles e uma voz feminina dizendo não faz assim sou moca direita, seu Zé achou que era alguma menina de família dando uns amassos e foi bisbilhotar.
Quando ele olhou escondido pelos arbustos sem que fosse notado ele viu só pelos vultos um rapaz dando uns amassos fortes em uma garota pequenina na parede não dava para ver o rosto de ambos mas dava pra ver bem seus corpos, e ela praticamente quase nua da cintura pra baixo e o carinha apertava sua bunda e seus seios e lhe beijava ardentemente o rapaz parecia um polvo com seus tentáculos por todo seu corpo ela ate que estava adorando mas não deixava tocar sua bucetinha ate que o rapaz conseguiu abaixar as alças de sua blusa e desnudar seus seios e cair de boca chupando eles com fome e ela gemer com sua língua em seus mamilos e sua Mao acariciando seus cabelos, quando o rapaz sentiu que ela não impediria mais suas investidas ele enfiou sua Mao no meio de suas pernas de surpresa e tocou sua bucetinha por cima da calcinha que a fez gemer e se tremer todinha ela já estava no papo pensava seu Zé ele vai fuder ela ali mesmo.
Como estava com tesao por causa da situação e lembrando-se da sua Juju começou a bater uma punheta ali mesmo ate que o rapaz abriu suas calcas e tirou pra fora seu pinto que devia ter uns 17 cm e colocou a Mao da menina em cima fazendo ela pega-lo e masturbá-lo ela no começo ate tentou não fazer dizendo que era sua primeira vez mas ele dizia que ele a ensinaria e que era gostoso e ela iria adorar e estavam fazendo aquilo porque se amavam, seu Zé pensou que safado sabe direitinho como enrolar uma putinha e o guri pediu que ela abaixasse sua calcinha pra ele e ela obedeceu quase que se ajoelhou no chão e quando ela foi se levantar ele mandou ficar nessa posição e colocou seu pinto em sua cara e lhe disse que era pra ela abrir a boca e colocá-lo dentro e chupar ela ate tentou dizer que não mas ele disse que ela não o amava como dizia e que iria embora e ela disse não eu te amo eu faço isso e começou timidamente a lambê-lo ele mandou ela chupar como um sorvete e depois enfiou ele em sua boca e começou a chupá-lo o rapaz só sabia gemer e dizer que estava gostoso que ela era especial e as vezes tirava o pau de sua boca para lhe perguntar se ela estava gostando e ela dizia que sim então batia em seu rosto com a pica e esfregava a pica em sua boca fazendo ela procurar com os lábios e enfiava de novo forçando ela engolir bastante.
Seu Zé já estava quase gozando por ver aquele moleque safado estuprando a boca daquela menina que ele não sabia quem era por estar escuro ali naquele lugar mas pelos gemidos do rapaz ele sabia que ele iria gozar nela ate que teve uma hora que ele ouviu o carinha gemer cada vez mais alto e ele pensou é agora então ele ouviu uma coisa que o fez acabar com aquela festa foi quando o rapaz começou a falar: isso continua mamando sua putinha safada, crente vadia vai na igreja mas adora um pau na boca, minha mãe não respondia so chupava concordando, ate que ouviu o rapaz gemer mais forte e dizer, toma minha porra, não para de mamar, toma todo meu leitinho JuJu, toma safada, ele percebeu que era sua JuJu que estava ali e fez um barulho para que aquele moleque não tirasse o prazer de ser o primeiro leite que ela tomaria e só viu o rapaz olhar para trás e levantar as calcas sair correndo e deixar ela ali ajoelhada indefesa sem ter nenhuma reação.
Seu Zé se aproximou e constatou que era mesmo a sua “afilhada” com um pouco de leite caindo de seu rosto e quando ela percebeu que era ele caiu no desespero de saber que ele a entregaria para seu pai, ele olhou pros lados para ver se o moleque tinha ido embora mesmo e lhe perguntou quem era e ela disse que era o Carlos da rua de baixo que era seu namorado, mas seus pais não sabiam,então ele reconheceu aquele safado que era o terror da vizinhança tinha uns 17 anos, dizia que ele já tinha tirado o cabaço de muita menina não importava a idade se fosse gostosinha ele comia com esse mesmo papo de namorado diziam que ele tinha ate tirado o cabaço de uma menina de uns 10 anos que depois disso ela virou uma vadia dava pra qualquer um, e lhe disse que seus pais não iriam gostar nada de saber que sua filhinha santinha estava atrás do muro como uma vadia chupando o pinto de um garoto ainda mais como aquele e ela implorou para que ele não contasse nada que ela faria tudo que ele ordenasse, ele olhando para ela ajoelhada com os seios aparecendo sem calcinha ele disse tudo mesmo sem pestanejar e ela disso tudo.
Então ele abaixou suas calcas e colocou o maior pau que ela tinha visto na terra tinha uns 20 cm e era mais grosso que do Carlos, ele não podia perder essa oportunidade e disse chupa vadia quero que você mame igual você estava mamando o pau daquele merdinha, gosta de rola então vai ter uma bem grossa e ela disse que não que era errado e levou um tapa na cara, você tava chupando um pau agora e diz que é errado mamar no meu vai fazer tudo que eu mandar se não conto pros seus pais o que eu vi e ainda digo que você tentou me seduzir para não contar para eles que vão ser bem severos e ainda mostro as fotos que tirei de você chupando o pinto dele, nessa hora ela nem tinha percebido a câmera fotográfica no pescoço dele, mas ele não tinha tirado foto nenhuma era só blefe.
Então ele passou seu pinto duro em seus lábios e mandou ela segura–lo e continuasse de onde tinha parado e ela começou a lamber e depois tentou enfiar aquele cogumelo enorme na boca mas era quase impossível engolir todo aquele pau que era mais longo e grosso que do Carlos, na mesma noite chupando 2 paus diferentes, seu Zé quase gozou ao sentir aquela boquinha de veludo envolver seu cacete e se deliciava com aquele que era seu sonho e cada vez mais forçava que ela engolisse mais ate sua pica tocar em sua garganta, ele via o desespero dela mas não lhe dava folga ate que ele mandou colocar as mãos para trás e começou a fuder sua boca como uma buceta e quando ela menos esperava ele deu uma estocada mais funda e despejou seu sêmen no fundo de sua garganta ela ainda tentou empurrá-lo mas ele era mais forte, e ela teve que engolir uma boa parte chegou quase a desmaiar sem ar e a outra escorreu pelo seu queixo e caia em seu colo.
Quando ele acabou de gozar ela ficou tossindo tentando recuperar o ar então ele a levantou bruscamente do chão e virou contra a parede e disse que não iria tirar a virgindade de sua bucetinha carnuda aquela noite mas não ficaria sem lhe fuder e começou a roçar seu pau na portinha de seu cu e forçar para dentro ela pediu que não fizesse isso porque ele a arrombaria então ele lhe mandou calar a boca e disse que ela era uma putinha e vagabundas tinham que obedecer seu macho e satisfazê-lo com todos os seus buracos e foi quando ela sentiu uma dor lancinante e começou a choramingar sentindo a cabeça tentando invadir seu rabinho e ele a mandou engolir o choro que aquilo era castigo por ser uma vadia de beira de estrada então ele deu um tranco mais forte e a cabeça passou fazendo arquear seu corpo na tentativa de fazer seu pinto sair mas ele a segurou pelos quadris e foi empurrando todo o resto de uma só vez ate não ficar nada de fora.
Então ele tampou sua boca com sua enorme mão para abafar seu grito e começou a meter dizendo que seu rabo era delicioso e que a partir dali era seria sua escrava e puxou seu cabelo e mandou dizer isso e ela disse quase sem forca que seria sua escrava chrando de dor e prazer ao mesmo tempo, então ele começou a acelerar as estocadas e mandou ela não gritar e colocou uma Mao em sua buceta procurando seu clitóris e começou a esfregá-lo com forca e a outra em sua cintura fazendo ela ficar toda mole e depois de um certo tempo ela começou a gemer mais forte e ficar muito ofegante estava tendo muito prazer de estar sendo fodida por um homem tão macho e dominador e depois de um certo tempo ele gemeu em seu ouvido que iria gozar e ela disse entre gemidos de prazer que também iria e gozaram juntos ela molhando seus dedos com seu mel e ele enchendo seu reto de porra,deram um beijo cheio de paixão e tesao e ele disse que sempre que ele quisesse ele iria fode-la sempre quando eles fechassem a loja e fossem fazer o estoque.
Depois daquela foda alucinante ele a mandou se recompor e a levou para casa e lhe disse que se não fizesse o que ele mandasse ele contaria para seus pais a filha puta que eles tinham em casa e ela com medo da reação deles por serem de igreja disse que faria tudo que ele mandasse com a cabeça baixa de vergonha por tudo que tinha feito aquela noite e no outro dia na escola Carlos perguntou o que tinha acontecido e quem era e ela ficou puta com ele por ter deixado ela para trás e fugido e disse que era seu Zé seu padrinho e disse que se ela fosse vista com ele seus pais saberiam de tudo e durante uns 3 meses seu Zé a fudia ate tirar também seu cabaco da bucetinha que foi bem doloroso por sua pica ser bem grossa mas depois que ela se acostumou dava que nem uma profissional e sempre que podiam fodiam sem parar e ele disse que sua mãe tinha viciado em dar à bunda gozava horrores e ele falou que ela gostava muito de dar a buceta mas que adorava mesmo era uma rola grossa na bunda ele via que era seu ponto fraco que ela tinha orgasmos violentos com o cu arrombado ate que ele disse que sua mãe já não precisava ser chantageada para dar ela depois de um certo tempo já o procurava com fome de pau e que ela contou que o meu pai Carlos ficava assediando ela constantemente.
Ele disse que ela contou que uma vez tava com um tesao danado na escola e que meu pai ficou cercando ela e que não resistiu e acabou dando pra ele no banheiro mas ele só conseguiu foder sua buceta porque estava com pressa e gozou logo, e com essa brincadeira com meu pai ela engravidou dele e meu avo descobriu o seu estado e obrigou ele a casar com ela, seu Zé sabendo do ocorrido quase lhe bateu por ter lhe traído mas disse que ela podia casar com ele mas ele seria seu amante e que só ele podia foder seu cuzinho ela aceitou toda submissa e foi assim ate meu nascimento seu Zé dizia que minha mãe grávida sempre dava o cuzinho para ele,dizia que deve ser por isso que eu adoro pau no cu como minha mãe porque quando ele a fodia o seu pau devia futucar minha bunda em sua barriga, e caiu na gargalhada.
Acabei rindo também com a piada, ele falou puxou sua mãe hein,meu pai não amava minha mãe tinha varias historias que ele tinha muitas amantes mas ficou com ela e seu Zé a fodia e sempre perguntava se o corno a fudia como ele fazia e ela disse que não gemendo que nem uma vagabunda com o pau atolado no cu ate que depois de uns 1 ano e 6 meses meu pai foi assassinado e minha mãe ficou traumatizada e achou que aquilo que tinha acontecido tinha sido castigo de DEUS e disse para seu Zé que não podia ter feito aquilo com meu pai mesmo ele não a amando mas ele sempre foi um bom marido que depois que nasci ele a tratava como uma princesa tinha ate parado com as galinhagens e depois disso nunca mais os dois tiveram nada mas ele disse que ainda tentou lhe convencer em continuarem juntos ate assumiria ela e eu mas ela não pestanejou pediu ate demissão do emprego, meus avos acharam que era depressão o que ela teve e aceitaram, seu Zé disse que sentiu muita falta daquele cu que ele arrombou mas deixou para La e viveram suas vidas, ate que ele descobriu que eu tinha assumido o posto de putinha de minha mãe e agora eu iria ser dele para sempre.
Galera desculpe por esse ter ficado mais longo que os outros mas é que não tava com tempo para escrever e escrevi logo dois capítulos em um só espero que tenham gostado e tentarei escrever mais rápido daqui pra frente, ate mais.